PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro recebe cotado para vaga de Moro e deve anunciar nome hoje

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

25/04/2020 11h55

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu nesta manhã um dos cotados para substituir Sergio Moro, que deixou ontem o ministério da Justiça e Segurança Pública: o policial militar da reserva que hoje chefia a a Secretaria Geral da Presidência da República, ministro Jorge Oliveira.

A expectativa de pessoas que participaram do encontro no Palácio da Alvorada é que Bolsonaro anuncie hoje o nome para o lugar de Moro.

"Acreditamos que hoje ou nas próximas horas mesmo já seja informado o nome do novo ministro da Justiça. A gente torce para que seja o ministro Jorge, um dos mais preparados. Mas a decisão é do presidente", disse o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) ao UOL.

Ele é vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara e participou da reunião de hoje, na qual também estiveram, segundo Otoni, o ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) da Presidência, Fábio Wajngarten, e o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia. Eles deixaram o Alvorada por volta das 12h de sábado.

Militar há dez anos com Bolsonaro

Ventilado como substituto de Moro desde ontem, Jorge Oliveira acompanha Bolsonaro há mais de dez anos.

Ao longo da carreira política de Bolsonaro, o major da Polícia Militar do Distrito Federal já teve funções nos gabinetes do então deputado Jair Bolsonaro e do filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A assessoria de imprensa da Secretaria Geral confirmou que o ministro esteve no Alvorada pela manhã.

Pela manhã, Bolsonaro fez uma postagem no Twitter citando Moro. O presidente disse que enquanto o ex-ministro era atacado pelas revelações do "Vaza Jato", ele esteve ao seu lado.

Moro foi exonerado ontem da função após romper com Bolsonaro e acusar o presidente de interferir politicamente na Polícia Federal. Bolsonaro negou as acusações e rebateu o ex-juiz da Lava Jato dizendo que Moro tentou negociar uma vaga de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

Para o cargo de novo diretor-geral da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, era o mais cotado ontem pelo presidente. O potencial mandatário da corporação era diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

Política