PUBLICIDADE
Topo

Política

Com foco em Brasília, Carlos Bolsonaro tem produção baixa na Câmara do RJ

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro - Foto: Divulgação/CMRJ
O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro Imagem: Foto: Divulgação/CMRJ

Do UOL, em São Paulo

28/06/2020 18h40

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) não apresentou nenhum projeto de lei na Câmara Municipal do Rio de Janeiro até agora neste ano, último de seu atual mandato como vereador.

Em outros quesitos disponíveis para consulta no site da Câmara do Rio, o vereador também apresenta uma atuação discreta. A baixa produção legislativa acontece ao mesmo tempo em que o foco do deputado está em Brasília, na defesa do mandato do pai, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Neste ano, o vereador ganhou uma sala no Palácio do Planalto, mesmo sem exercer oficialmente nenhuma função o governo.

De acordo com o site da Câmara do RJ, neste ano Carlos também não apresentou nenhum Projeto de Emenda à Lei Orgânica e nenhuma Indicação de benfeitorias públicas à Prefeitura, como pedir iluminação ou recapeamento de vias.

Sua última moção, segundo o site, aconteceu em 2017: uma homenagem.

Em 2020 o vereador também não fez nenhum pedido de informações à Prefeitura ou requerimento. Seu último ofício à casa legislativa é do final do ano passado, quando solicitou uma licença não remunerada do mandato. Ele afastou-se em setembro e retornou em outubro.

Carlos tampouco apresentou alguma emenda a projetos de terceiros.

Homenagem a trabalhadores essenciais da pandemia

Segundo o site da Câmara do Rio, Carlos assina um Projeto de Resolução ao lado de dezenas de outros vereadores para criar um "diploma de reconhecimento e gratidão" a ser concedido aos trabalhadores de setores considerados essenciais durante a pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Ele também apoiou um decreto legislativo para disponibilizar orçamento da Câmara para ser usado no combate à pandemia.

Em anos anteriores desta legislatura, que começou em 2016, Carlos apresentou em média dois projetos de lei por ano.

Em abril, o UOL mostrou que ele vinha exercendo seu mandato a distância, de Brasília. Lá, o filho do presidente tem participado das reuniões do gabinete de crise montado pelo governo federal no combate ao coronavírus.

Nas sessões virtuais da Câmara do Rio, estabelecidas no dia 22 de março, ele já deixou de votar em matérias consideradas importantes e costuma se manter em silêncio.

Redes sociais ativas

Nas redes sociais, Carlos Bolsonaro continua ativo. Neste final de semana, ele divulgou diversas postagens sobre ações do governo federal.

Na sua linha do tempo no Twitter, também são comuns nas últimas semanas ataques a adversários do presidente Bolsonaro e críticas veladas a aliados.

Do Rio de Janeiro, cidade que o elegeu, fala pouco — geralmente sobre escândalos de corrupção como a investigação da PGR sobre irregularidades na compra de respiradores nos estados.

A reportagem não conseguiu contato com o vereador ou seu gabinete para comentar sua atuação parlamentar.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado no segundo parágrafo, o termo correto é mandato parlamentar, e não mandado. A informação foi corrigida.

Política