PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que relação entre Legislativo e Executivo é 'complexa'

Bolsonaro classificou hoje como "complexa" a relação entre o Executivo e o Legislativo - Reprodução
Bolsonaro classificou hoje como "complexa" a relação entre o Executivo e o Legislativo Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

03/07/2020 10h57Atualizada em 03/07/2020 12h30

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) classificou hoje como "complexa" a relação entre o Executivo e o Legislativo. Em conversa com apoiadores nesta manhã, ele foi questionado por uma simpatizante se acredita que o Senado irá aprovar o projeto que amplia de cinco para dez anos a validade da CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Bolsonaro disse que "não basta querer" e que suas ideias dependem da aprovação do Parlamento. "Levou seis, sete meses, está nascendo o projeto. Chegando para a gente, sanciona imediatamente. É complexa a ligação Executivo e Legislativo. Não é fácil, não", afirmou.

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto no fim de junho que amplia a validade do documento para motoristas com menos de 50 anos de idade — Bolsonaro havia proposto estender o prazo para condutores com menos de 65 anos.

"Tenho conversado com o Davi Alcolumbre (presidente do Senado). Vai aprovar, talvez até hoje. (A validade) Passa para 10 anos até 50 anos de idade. Eu havia proposto 65 (anos). A gente vê no futuro. E o número de pontuação na carteira que vai atingir os caminhoneiros, de 20 para 40 pontos", respondeu Bolsonaro, em vídeo gravado e divulgado por apoiadores na internet.

No projeto enviado pelo presidente, o limite máximo de pontos que um motorista pode ter sem perder a habilitação dobrava, passando de 20 para 40 pontos. No entanto, o relator do texto, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), estabeleceu uma mudança nesse ponto.

A ampliação de 20 para 40 pontos foi mantida, mas apenas para motoristas que não cometerem infração gravíssima. Se houver uma infração gravíssima, o limite cai para 30 pontos. Com duas ou mais infrações do tipo, a pontuação máxima volta a ser de 20 pontos.

Para motoristas que exerçam atividade remunerada em veículo, o limite será de 40 pontos, independentemente das infrações.

Política