PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
10 meses

Fux anuncia comitê de segurança digital da Justiça após ataque hacker a STJ

O presidente do STF anunciou a medida durante sessão do Conselho da Justiça Federal na tarde de hoje (9/11) - Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente do STF anunciou a medida durante sessão do Conselho da Justiça Federal na tarde de hoje (9/11) Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Felipe Amorim

09/11/2020 15h42Atualizada em 09/11/2020 15h45

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, afirmou que será criado amanhã um comitê do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para tratar da segurança digital dos tribunais brasileiros.

O CNJ é o órgão máximo de gestão administrativa do Judiciário e é comandado pelo presidente do STF.

A iniciativa foi tomada após o ataque hacker ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) ocorrido na última semana.

A Justiça brasileira vem promovendo a digitalização dos processos, o que aumenta o risco desse tipo de ataque.

"Nós vamos criar um comitê cibernético de proteção à justiça digital do Poder Judiciário com a parceria de todas as entidades que têm expertise sobre esse tema", disse Fux.

O presidente do STF anunciou a medida durante sessão do Conselho da Justiça Federal na tarde de hoje, mas não deu detalhes sobre o funcionamento do comitê.

"Vou para Brasília agora e vou exatamente tratar da criação desse órgão que possa evitar com que nós soframos mais uma vez uma lesão no nosso sitema de processo", disse Fux.

Após o ataque, tornado público na última terça-feira (3), os sistemas do STJ começaram a ser restabelecidos hoje, de forma gradual. O ataque derrubou o sistema de videoconferência do tribunal e levou à suspensão das sessões de julgamento da última semana.

Peritos que investigam o caso temem que o material ao qual o hacker teve acesso já tenha sido copiado e esteja em seu controle. A preocupação é de que o STJ seja alvo de um vazamento em massa, mas ainda não há informações de que isso tenha de fato ocorrido.

Um inquérito foi aberto pela Polícia Federal para investigar a invasão.

Política