PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Bolsonaro mente ao dizer que não falou gripezinha em referência à covid-19

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/11/2020 22h24

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negou hoje que tenha chamado o vírus da covid-19 de "gripezinha". Em transmissão ao vivo em rede social, Bolsonaro afirmou que "não há vídeo ou áudio" em que ele use esse termo para se referir ao vírus "dessa forma".

"Falei lá atrás que no meu caso, pelo meu passado de atleta, não generalizei, se pegasse a covid eu não sentiria quase nada. A grande mídia falando que chamei de gripezinha a questão do covid. Não existe um vídeo ou áudio meu falando dessa forma. Eu falei pelo meu estado atlético, minha vida pregressa, porque sempre cuidei do meu corpo, sempre gostei de praticar esporte", declarou hoje à noite.

Em março deste ano, Bolsonaro utilizou o termo "gripezinha" em duas ocasiões. Na primeira, durante entrevista no Planalto, o presidente disse que, depois da facada que sofreu ano passado, não seria "derrubado pela gripezinha".

"Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar, ta ok? Se o médico me recomendar um novo exame, eu farei, caso contrário, me comportarei como qualquer um de vocês aqui", declarou o presidente após ser questionado por uma jornalista se ele faria um novo exame para detectar o coronavírus.

Na ocasião, Bolsonaro fez dois testes para detectar covid-19 após pelo menos 20 pessoas que estiveram com ele em missão nos Estados Unidos testarem positivo.

Poucos dias depois, o presidente fez um pronunciamento nacional em rádio e TV onde falou sobre a situação do coronavírus no país. Além de afirmar ser preciso conter a "histeria" e o "pânico" no momento e pedir que a vida "continuasse", Bolsonaro falou que, pelo seu "histórico de atleta", não seria afetado gravemente pela doença, caso a contraísse.

"No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho", disse o presidente.

Brasil registra 691 mortes por covid-19 em 24h

Em levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde hoje, o Brasil registrou 691 novas mortes causadas pelo vírus de ontem para hoje. Assim, o país chegou ao número de 171.460 óbitos desde o início da pandemia.

Foram diagnosticados também 37.614 novos casos da doença em 24 horas. Já são 6.204.220 pessoas infectadas pela covid-19 no Brasil.

O país apresentou uma tendência de aceleração na média das mortes pelo coronavírus em duas das cinco regiões.

Saúde