PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Jefferson pede licença da presidência do PTB por prazo indeterminado

Roberto Jefferson está detido em Bangu 8 desde agosto deste ano - Valter Campanato/Agência Brasil
Roberto Jefferson está detido em Bangu 8 desde agosto deste ano Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Anna Satie

Do UOL, em São Paulo

24/10/2021 19h33Atualizada em 24/10/2021 20h15

O ex-deputado federal Roberto Jefferson pediu licença da presidência do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) por tempo indeterminado, enquanto durar sua prisão preventiva. Em carta manuscrita, assinada na última sexta-feira, ele diz perceber a necessidade de uma presença mais próxima da gestão partidária.

Mais cedo, ele foi internado com problemas de saúde no complexo penitenciário de Gericinó, para onde voltou no último dia 14 após passar mais de um mês internado em um hospital no Rio de Janeiro.

No documento de dez páginas, Jefferson diz acreditar que Graciela Nienov, vice-presidente da legenda, está pronta para assumir a função, "além de contar com o apoio de quase totalidade do diretório e maioria quase absoluta dos presidentes regionais, à exceção de Alagoas e Mato Grosso".

Neste mês, a filha de Jefferson, a ex-deputada Cristiane Brasil pediu a saída de Nienov da vice-presidência da legenda, acusando-a de fingir ser pastora para visitar Jefferson enquanto esteve internado no hospital. Elas já haviam entrado em conflito anteriormente.

O ex-deputado diz que um "grupo conspiratório" se formou dentro do partido para levar ao Judiciário questões que deveriam ser resolvidas dentro do partido.

Na última sexta, um grupo de cinco deputados federais e um deputado estadual do PTB pediu ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal o afastamento de Jefferson da presidência do partido, devido aos ataques feitos pelo ex-parlamentar ao STF (Supremo Tribunal Federal) e pelo uso "indevido" do fundo partidário.

Jefferson está preso preventivamente em Bangu 8 desde 13 de agosto, por determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. Ele é suspeito de envolvimento com uma milícia digital que atua contra a democracia.

Política