PUBLICIDADE
Topo

Política

Com Influenza A, Eduardo Paes suspende agenda: 'Governando virtualmente'

"A tal da Influenza A me pegou de jeito", disse o prefeito; casos subiram na cidade do Rio de Janeiro  - Beth Santos/Prefeitura do Rio
'A tal da Influenza A me pegou de jeito', disse o prefeito; casos subiram na cidade do Rio de Janeiro Imagem: Beth Santos/Prefeitura do Rio

Do UOL, em São Paulo

25/11/2021 13h37

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), 52, disse hoje ter sido acometido pela Influenza A, um tipo de gripe. Por causa disso, Paes cancelou sua agenda e disse estar governando "virtualmente".

"A tal da Influenza A me pegou de jeito. Governando virtualmente. Em breve na atividade!", escreveu o prefeito em sua conta no Twitter.

Os casos de Influenza A subiram na cidade do Rio de Janeiro nos últimos dias. A cobertura vacinal chegou a apenas 57% do público-alvo da campanha, e agora parte da população já sofre com os sintomas.

Em entrevista à Globo, o secretário de saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, afirmou que a cidade já apresenta um aumento dos casos, e 38% das ocorrências com sintomas respiratórios que chegam à rede municipal são causadas pela influenza A.

Os quadros mais graves, disse ele, apareceram em crianças de seis meses a seis anos, gestantes e pessoas com mais de 60 anos.

Na avaliação do infectologista Álvaro Costa, que atua no HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), um fator que pode ter levado a esse quadro foi a priorização da vacina contra a covid-19. "Pela urgência do momento, muitas pessoas receberam a imunização contra o Sars-CoV-2 e deixaram outras de lado. A cobertura vacinal acabou ficando ruim para algumas doenças infecciosas."

Por ser um vírus respiratório, as medidas de proteção são bastante semelhante àquelas adotadas contra a covid-19, como vacinação, uso de máscara e distanciamento.

A gripe inicia-se em geral com febre alta, seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça, coriza e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias. Os sinais são extremamente similares aos causados pelo coronavírus.

Para certificar-se de que não é covid-19, é possível fazer os testes de detecção da doença.

* Com reportagem de Giulia Granchi, do VivaBem, em São Paulo

Política