PUBLICIDADE
Topo

Política

Líder de Bolsonaro articula com centrão e petistas ação para crise na Bahia

Ricardo Barros (foto), o presidente da Câmara e a oposição fazem reunião em Brasília - Pedro França/Agência Senado
Ricardo Barros (foto), o presidente da Câmara e a oposição fazem reunião em Brasília Imagem: Pedro França/Agência Senado

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

28/12/2021 12h05

Governistas, centrão e petistas articulam uma ação do Parlamento para ajudar no socorro às vítimas na Bahia, atingida por fortes chuvas nos últimos dias. Pelo menos 20 pessoas morreram após as enchentes, principalmente no sul do estado.

Na manhã desta terça-feira (28), estão reunidos o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o líder do governo de Jair Bolsonaro (PL) na Casa, Ricardo Barros (PP-AL), o líder do PP, Cacá Leão (BA), os deputados Marcelo Nilo (PSB-BA), Valmir Assunção (PT-BA), Reginaldo Lopes (PT-MG), Bohn Gass (PT-RS).

O encontro acontece na residência oficial da Câmara, no Lago Sul, em Brasília.

Na Bahia, ministros do governo Bolsonaro, como Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), Marcelo Queiroga (Saúde) e Damares Alves (Direitos Humanos), estão com o governador do estado, Rui Costa (PT). Eles concedem uma entrevista coletiva anunciando as ações feitas para minimizar a crise.

Segundo a assessoria do PT, o objetivo é buscar apoio e recursos às famílias da região.

Nesta terça-feira, o senador e ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) reconheceu o apoio do presidente Jair Bolsonaro, que liberou R$ 200 milhões em recursos para enfrentar a crise. Mas ele vê necessidade de mais dinheiro para a região.

"Agora, R$ 200 milhões são bem vindos, mas posso garantir que para a recuperação de vias federais, como a BR-030 e a BR-415, várias questões de responsabilidade federal, esse dinheiro será insuficiente", afirmou Wagner, em notícia divulgada por sua assessoria. "Se você dividir R$ 200 milhões por 2 mil, 3 mil, 4 mil desabrigados, fora as estradas que tem que recuperar...Mas eu sei que estão trabalhando. Quero ver com o ministro [Rogério] Marinho o que ele está pensando para ampliar isso."

Política