PUBLICIDADE
Topo

Política

Ninguém confirma nem desmente: tudo é segredo no casamento de Lula e Janja

O ex-presidente Lula (PT) beija a noiva, Janja Silva, em evento junto à prefeita de Paris, Anne Hidalgo, na França, em novembro - Reprodução/Twitter
O ex-presidente Lula (PT) beija a noiva, Janja Silva, em evento junto à prefeita de Paris, Anne Hidalgo, na França, em novembro Imagem: Reprodução/Twitter

Lucas Borges Teixeira

Do UOL, em São Paulo

18/05/2022 04h00

Quase ninguém confirma ou nega se vai ao casamento mais comentado do mundo político, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e da socióloga Rosângela Silva, a Janja, na noite de hoje (18), em São Paulo.

Com objetivo de ser uma cerimônia íntima e pessoal, sem pinta de grande evento político, foi recomendado aos convidados que não ficassem falando no assunto —nem o local foi divulgado previamente. Mesmo entre o círculo político mais próximo do ex-presidente —e da pré-campanha— não se sabe exatamente quem está na lista e quem ficou de fora.

A cerimônia está marcada para as 19h em uma casa de festa em São Paulo. O local exato não estava impresso no convite —a ideia era liberar o endereço aos convidados horas antes da cerimônia, por meio de QRCode.

Os detalhes foram revelados aos poucos pela imprensa — o ex-presidente e o PT têm argumentado que este é um assunto pessoal de Lula e Janja.

A previsão é que a festa tenha cerca de 150 convidados, entre políticos, familiares, artistas, amigos e funcionários dos noivos e do PT. Segundo a Folha de S. Paulo, um dos critérios do casal para fechar a cobiçada lista foi considerar pessoas que são próximas de ambos.

A lista completa é um mistério mesmo para o círculo mais próximo. Entre petistas, alguns dizem que "não confirmam nem negam". Pessoas próximas dizem que há uma expectativa para saber exatamente quem foi chamado —coisa que, reza a lenda, pouquíssimas pessoas sabem.

No meio político, deverão comparecer amigos de longa data e nomes fortes da pré-campanha, como a ex-presidente Dilma Rousseff (PT); os ex-ministros Aloízio Mercadante (PT), Fernando Haddad (PT) e Franklin Martins; o senador Jacques Wagner (PT-BA) e os ex-governadores Wellington Dias (PT-PI) e Benedita da Silva (PT-RJ).

Entre aliados, também deverá comparecer o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB-SP), pré-candidato a vice na chapa com Lula, e o deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ), pré-candidato ao governo do Rio.

Outras figuras do entorno do petista, como Guilherme Boulos (PSOL) e os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Omar Aziz (PSD-AM), não foram chamados.

Entre artistas, deverão comparecer os músicos Chico Buarque, Gilberto Gil, Daniela Mercury e Martinho da Vila, porém sem confirmação pela reportagem.

Segundo interlocutores ouvidos pelo UOL, a discrição tem sido um pedido do casal. No convite, também foi sugerido que os convidados fiquem "longe do celular" durante a celebração, que deverá durar até 21h.

Com o consentimento de Janja, Universa, do UOL, conseguiu alguns detalhes sobre o vestido da noiva, assinado pela estilista Helô Rocha. O colunista Alberto Bombig afirmou que Lula e Janja planejam passar o dia do casamento separados. O petista irá, sozinho a um hotel da zona sul de São Paulo e verá a companheira apenas na cerimônia.

Da vigília ao altar

Janja e Lula começaram o relacionamento no fim de 2017, mas só o tornaram público em 2019, quando o petista estava preso em Curitiba. A socióloga foi uma das pessoas mais presentes na vigília em frente à Polícia Federal da capital paranaense. Ajudou a coordená-la e era uma das poucas autorizadas a visitar Lula. Hoje, é figura central da campanha.

Em pré-campanha eleitoral desde abril, o ex-presidente tirou o resto da semana para se voltar ao casamento.

O casal deverá passar a lua de mel em São Paulo, sem viajar, porém também sem local divulgado, e a agenda externa deverá retomar na semana que vem, com viagem para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Política