PUBLICIDADE
Topo

Política

Tucanos na Câmara dizem apoiar união com MDB, mas esperam 'sinal' de Leite

Bancada tucana aguarda "sinal" de Eduardo Leite sobre compor chapa com Simone Tebet - GABRIEL HAESBAERT/ESTADÃO CONTEÚDO
Bancada tucana aguarda "sinal" de Eduardo Leite sobre compor chapa com Simone Tebet Imagem: GABRIEL HAESBAERT/ESTADÃO CONTEÚDO

do UOL em Brasília

24/05/2022 20h29Atualizada em 24/05/2022 20h29

Enquanto a Executiva do MDB se reunia hoje para reforçar o nome da senadora Simone Tebet (MS) como candidata da terceira via à Presidência da República, a bancada tucana na Câmara discutiu o apoio à união com emedebistas e com o Cidadania.

Na reunião, segundo relatos de deputados do PSDB feitos ao UOL, parlamentares sinalizaram apoio à união com Tebet, mas avisaram que ainda esperam o que chamam de "sinal de interesse" do ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite para a composição da chapa.

De acordo com integrantes da bancada, até a próxima reunião da Executiva Nacional, na semana que vem, Leite teria que indicar se gostaria de ter seu nome levado à cúpula tucana. Isso porque Leite está no topo das pesquisas de intenção de voto ao governo do estado.

Os deputados ouvidos pelo UOL relatam que a reunião foi "pacífica" e que até aliados do ex-governador paulista João Doria defenderam o entendimento com o MDB em torno de um candidato único e o nome de Leite para a chapa, desde que seja do interesse do gaúcho. A avaliação é que os bastidores e a desistência de Doria à pré-candidatura a presidente já ficou para trás.

Em nota divulgada nesta terça (24), o presidente do Cidadania, Roberto Freire, que apoia a candidatura de Tebet, afirmou que a senadora "terá a oportunidade de liderar um projeto que atraia os setores mais diversos possíveis" e que o MDB terá "uma segunda chance histórica de ser novamente instrumento de unidade e reafirmação da liberdade e do desenvolvimento do país".

Freire citou o "gesto de grandeza" de Doria ao renunciar o interesse de concorrer ao Palácio do Planalto e disse que o PSDB, "apesar de muitas vezes incompreendido, oferece ao país a abnegação que o grave momento nacional exige em nome do consenso".

A Executiva do PSDB se reuniria nesta terça para decidir sobre o apoio à Tebet. Contudo, diante do impasse em torno do posicionamento da sigla, foi remarcada para a quinta-feira da semana que vem, dia 2 de junho.

Política