Conteúdo publicado há 3 meses

Ao retomar refinaria, Lula justifica calote da Venezuela e ataca Lava Jato

Ao relançar a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, o presidente Lula (PT) falou sobre o calote da Venezuela durante o seu primeiro mandato e criticou a Operação Lava Jato pelos impactos na Petrobras ao longo dos anos.

O que aconteceu

Investimento seria conjunto, mas a Venezuela nunca participou das obras. As obras da refinaria foram iniciadas em 2005 junto ao ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, morto em 2013. Para o TCU (Tribunal de Contas da União), a indefinição gerou prejuízos a Petrobras, que nega, e a refinaria recebeu o título de "mais cara do mundo", com custo de quase R$ 100 bilhões.

Lula admitiu que o venezuelano, seu aliado político, "nunca colocou um centavo", mas não se mostrou arrependido, apesar do atraso na construção. O objetivo, segundo ele, era fazer uma parceria com o país vizinho para que se refinasse o petróleo brasileiro e venezuelano, mas as estatais não concordavam nos termos de colaboração.

A Petrobras e PDVESA [estatal de petróleo da Venezuela] eram duas noivas bonitas, muito grandes, e nunca concordaram com nossa ideia [dele e do Chávez]. [...] Não cumprimos porque cada um tem de defender os interesses das suas empresas, do seu país. O dado concreto é que nunca o Chávez colocou um centavo aqui.
Lula, justificando o calote venezuelano

Em meio à confusão com a Venezuela, a refinaria só foi parcialmente inaugurada em 2014, na gestão Dilma Rousseff (PT), e um valor muito superior ao esperado. Inicialmente, a obra estava orçada em US$ 2,3 bilhões (R$ 13,5 bilhões). Somente o trem 1 teve investimento de US$ 18,27 bilhões (R$ 92,6 bilhões).

Ainda assim, o presidente afirmou que a construção bancada apenas pela Petrobras acabou sendo a melhor opção. "A Venezuela tem um petróleo 8API, muito pesado. A gente teria de fazer quase duas refinarias: a nossa e um reparador para afinar o petróleo deles. Então, fizemos sozinhos a nossa refinaria, a gente vai fazer com nossos erros e nossos acertos."

Críticas à Lava Jato

Todo o ato também teve forte tom de crítica à Operação Lava Jato, tanto por parte de Lula quanto do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. O presidente voltou a afirmar que o foco da operação não foram os corruptos, mas a empresa.

Eu tive as contas dos meus oito anos de governo aprovadas. Somente 5 anos depois começou o processo de denúncia contra a Petrobras. Na verdade, não era contra a Petrobras. Se quisesse apurar corrupção, você apura. Se o Jean Paul roubou, manda embora e manda para a cadeia. O que não pode é punir a soberania de um país como o Brasil e sua empresa mais importante, que é a Petrobras.
Lula, sobre Lava Jato

Continua após a publicidade

Lula afirmou ainda que a operação causou um clima de perseguição aos funcionários da Petrobras, reconhecidos pelo macacão abóbora. "Quantas vezes companheiros entravam em restaurante para comer e, por estarem com essa camisa [da Petrobras], foram chamados de ladrões? Por que isso acontece? Para ganhar disputa você destrói primeiramente a pessoa. Você inventa uma mentira, destrói", questionou.

Refinaria irá dobrar capacidade; histórico é questionado

Lula e outros nomes do governo inauguraram um novo plano de investimentos na refinaria. O governo federal afirma que a nova fase, integrante no Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), é voltada para a construção do chamado Trem 2, um novo conjunto de unidades da refinaria, até 2028.

A previsão do investimento é de US$ 1,5 bilhão (R$ 7,5 bilhões) até 2027. Também foram prometidos mais de 30 mil empregos e unidades voltadas à produção de energia sustentável, incluindo o biodiesel e o hidrogênio verde.

Petrobras diz que obras irão dobrar capacidade de processamento de petróleo, com o objetivo de reduzir a demanda de combustível por importação. "[O gasto] vai reverter no primeiro ano, em impostos, com 90% do funcionamento. Se quiser colocar em todas as piores estimativas [de custo], de R$ 100 bilhões, é coberto no primeiro ano dela funcionando totalmente", prometeu Prates.

A Rnest, sigla da Abreu e Lima, é a "mais moderna" já construída pela estatal, diz Petrobras. "Dentre todas as refinarias brasileiras, a Rnest apresenta a maior taxa de conversão de petróleo cru em diesel (70%), combustível essencial para a circulação de produtos e riquezas do país", afirma a empresa.

Deixe seu comentário

Só para assinantes