Conteúdo publicado há 21 dias

Bolsonaro e ex-ministros são alvos da PF; ex-assessores são presos

A PF faz hoje operação contra uma suposta organização criminosa que tentou dar golpe para manter Jair Bolsonaro (PL) na Presidência.

O que aconteceu

Jair Bolsonaro é um dos alvos da operação. Os agentes foram à casa do ex-presidente em Angra dos Reis (RJ) para recolher o passaporte dele. Como o documento não estava no local, foi dado o prazo de 24 horas para a entrega. O celular de Tércio Arnaud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro, foi apreendido.

O coronel Marcelo Costa Câmara e Filipe Martins, ex-assessores de Bolsonaro, foram presos. A PF também prendeu Rafael Martins de Oliveira, major do Exército.

Ex-ministros de Bolsonaro são alvos de busca e apreensão. Entre os nomes estão Braga Netto, Augusto Heleno, Anderson Torres e Paulo Sérgio Nogueira. O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, também é alvo da PF.

O Exército acompanha o cumprimento de alguns mandados. A ação mira também militares, entre eles, pelo menos três generais de quatro estrelas.

O ex-ministro Torres já responde no STF por suspeita de conivência e omissão com os atos de 8 de janeiro. Essa acusação fez ele ficar preso por quase quatro meses.

A operação ocorreu com base na delação do tenente-coronel Mauro Cid e em outras provas coletadas pela PF ao longo da investigação, segundo fontes. Foi chamada pela Polícia Federal de "Tempus Veritatis", ou "hora da verdade", em latim. Os mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.

A PF cumpre hoje 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares.

Entre as medidas cautelares, está a proibição de contato entre investigados, entrega de passaportes em até 24 horas e suspensão do exercício de função pública. A PF cumpre os mandados no Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e Distrito Federal.

Continua após a publicidade
Ex-assessores de Bolsonaro, Filipe Martins e Marcelo Câmara, presos hoje em operação da PF
Ex-assessores de Bolsonaro, Filipe Martins e Marcelo Câmara, presos hoje em operação da PF Imagem: Reprodução/Twitter/LinkedIn

Como era atuação do grupo

Segundo a PF, o grupo se dividiu em núcleos para disseminar informações falsas sobre fraude nas eleições de 2022. A ação aconteceu antes mesmo do pleito para "viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital".

O primeiro eixo trabalhou para construir e propagar a versão de fraude nas eleições. O grupo espalhou mentiras sobre vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação. Segundo a PF, o discurso é repetido pelos investigados desde 2019 e continuou após a vitória do presidente Lula (PT).

O segundo eixo consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito por meio de um golpe de Estado. Segundo a PF, o grupo tinha apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes