Conteúdo publicado há 1 mês

Parlamentares acionam MP por estadia de Bolsonaro na sede do governo de SP

Parlamentares do PSOL acionaram o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) pedindo providências em relação à hospedagem do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no Palácio dos Bandeirantes, sede do Executivo paulista, para participar de manifestação em São Paulo.

O que aconteceu

Os parlamentares alegam uso indevido de prédio público e dizem que governador viola a impessoalidade e a imparcialidade da gestão pública. Tarcísio de Freitas (Republicanos) foi ministro da Infraestrutura na gestão Bolsonaro e foi eleito governador com o apoio do ex-presidente. O Palácio dos Bandeirantes também é residência oficial do governador de São Paulo.

Os signatários pedem que a Procuradoria-Geral de Justiça do Estado questione custos e finalidades da hospedagem e cobre as medidas cabíveis dos responsáveis. O documento é assinado pelo deputado estadual Carlos Giannazi, a deputada federal Luciene Cavalcante e o vereador Celso Giannazi.

O UOL questionou o governo de São Paulo sobre a representação e aguarda retorno. O espaço está aberto para manifestação.

O que diz a representação

Nada justifica que o governador hospede, com dinheiro público e em um prédio com finalidade pública - pois é a sede do executivo paulista - uma pessoa que não exerce nenhum cargo público, está inelegível por inúmeras irregularidades praticadas no processo eleitoral e, ainda, responde a vários processos judiciais.

O governador está violando a impessoalidade e a imparcialidade da gestão pública, ferindo a moralidade administrativa e se utilizando de patrimônio público para fins pessoais e político-partidários.

Tabata sobre Nunes: "Topa qualquer negócio para se manter no poder"

Nas redes sociais, Tabata Amaral (PSB), que lançou a sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo, criticou a participação do prefeito Ricardo Nunes (MDB), seu rival político, e disse que ele "topa qualquer negócio para se manter no poder."

Continua após a publicidade

Todos têm o direito de convocar e realizar manifestações. Mas não podemos nos esquecer que aqueles que convocaram a manifestação de hoje fizeram isso porque estão sendo investigados por atentar contra a democracia. Ou seja, estão apostando mais uma vez na polarização para tentar salvar a própria pele. Enquanto isso, nosso povo segue dividido e sem esperança de mudanças reais. Além disso, é vergonhoso ver o prefeito da maior cidade brasileira apequenar o cargo que ocupa e a cidade que deveria liderar com sua participação. Novamente, Nunes demonstra topar qualquer negócio para se manter no poder e envergonha o legado de Bruno Covas. Tabata Amaral

Deixe seu comentário

Só para assinantes