Conteúdo publicado há 16 dias

Marcha para Jesus em SP tem discurso religioso de Tarcísio e oração a Nunes

Milhares de fiéis da Marcha para Jesus lotam o Campo de Marte, em São Paulo, hoje, com faixas religiosas e bandeiras de Israel. O ato atraiu diversos políticos. como o prefeito Ricardo Nunes e o governador Tarcísio de Freitas , além de um ministro de Lula (PT).

O que aconteceu

Discursaram o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) e o prefeito Ricardo Nunes (MDB), em pré-campanha à reeleição. O presidente Lula (PT) não foi ao evento. Neste ano, enviou uma carta e foi representado pelo ministro Jorge Messias, da AGU (Advocacia-Geral da União). Também participaram diversos deputados, vereadores e prefeitos de diferentes estados, de partidos conservadores.

Esta é a 32ª edição da marcha, um dos maiores eventos cristãos do país. Prevista para começar às 10h, a caminhada começou por volta das 10h15 da Estação da Luz. Dois trios elétricos principais, equipados com caixas de som, telões e cartazes nas laterais e bexigas nas cores da bandeira brasileira, lideram a passeata.

2 milhões de pessoas eram esperadas pela organização. Ao todo, eram aguardadas 15 mil caravanas do país todo e oito trios elétricos. Os fiéis seguiram do Centro até o Campo de Marte, na zona norte, em um trajeto de cerca de 4 km.

Palanque político

Tarcisio fez um discurso religioso. O governador chegou no meio da tarde e declamou diversos versículos citando personagens bíblicos em sua fala. "Quem são vocês, quem somos nós? Somos os escolhidos", disse. "Ele já está pregando melhor que muito pastor", brincou o pastor Estevam Hernandes, organizador do evento.

O prefeito de São Paulo subiu no trio elétrico no começo e depois voltou ao palco, com Tarcísio. Nunes foi acompanhado da mulher dele, Regina, e ganhou um pedido de oração de Hernandes. Os deputados Guilherme Boulos (PSOL-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP), também pré-candidatos à prefeitura, não deverão comparecer.

Nunes discursou brevemente e puxou uma oração. "Eu amo Jesus Cristo", disse, após ser chamado ao microfone por Hernandes. Católico, o prefeito compunha a chamada Bancada de Cristo na Câmara Municipal de São Paulo quando vereador. "Melhor prefeito do Brasil", chegou a dizer o pastor.

Presença institucional e corrida eleitoral. O prefeito está em um momento estratégico às vésperas da campanha oficial, aparecendo bem nas pesquisas eleitorais divulgadas nesta semana: empate técnico com Boulos, segundo o instituto Datafolha e a Paraná Pesquisas.

Continua após a publicidade

O nome do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi lembrado diversas vezes, em tom elogioso. Antes de apresentar a chegada de Tarcísio ao placo, o pastor Hernandes lembrou que Bolsonaro havia pedido apoio ao governador de São Paulo. A pastora Sônia Hernandes chegou a pedir bênçãos aos políticos presentes no palco. Estavam Tarcísio e Nunes naquele momento.

Ministro de Lula. O ministro da AGU, Jorge Messias, representando Lula, ficou pouco no palco, mas foi chamado de "servo de Deus" e "nosso ministro" pelo pastor Hernandes. Ele orou com as mãos erguidas ao lado do pastor.

O governador goiano Ronaldo Caiado (União) também subiu ao palco. "Nós queremos preservar a família em nosso país, e a maneira de se preservar é exatamente fazendo com que tenhamos a condição de implantar a segurança pública cada vez maior, para não deixar com que a droga avance", afirmou o governador, que sugeriu levar o evento para Goiás.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB) participa da Marcha para Jesus de cima do trio, em São Paulo
O prefeito Ricardo Nunes (MDB) participa da Marcha para Jesus de cima do trio, em São Paulo Imagem: Caíque Alencar/UOL

Cantos religiosos, famílias unidas e bandeiras de Israel

Houve diversos shows gospels, além da pregação. Os caminhões tocavam canções evangélicas e interrompiam a caminhada em alguns momentos para louvores. Atrações musicais e pastores se revezam no palco.

Continua após a publicidade

O clima é amigável e mantém o teor religioso. Apesar da presença do prefeito e de outras personalidades políticas, o clima do encontro é de celebração religiosa, com gestos solidários entre os presentes. As pessoas que sobem em muretas para filmagens e fotos recebem apoio para que elas não caiam.

Grupos de fiéis foram com a família inteira. A manifestação tem participantes que trouxeram crianças em carrinhos de bebês e veículos infantis, alguns jogavam vôlei no gramado da Praça Heróis da FEB. Nos banheiros químicos, filas sem empurra-empurra.

Grupo de amigas foi do ABC Paulista para a marcha. A auxiliar Eliene Oliveira Santos, 52, participa do evento desde 2002. Desta vez, levou as duas filhas e a amiga Marineide Maria Ferreira, 54, e a neta. "Só faltei uma vez quando estava grávida", disse Eliene.

Eliene com família e amigas na marcha: presente desde 2002
Eliene com família e amigas na marcha: presente desde 2002 Imagem: Caíque Alencar/UOL

Os fiéis também levaram uma bandeira gigante de Israel. Exemplares menores eram vendidos por ambulantes junto a faixas como o nome "Jesus" e bandeiras do Brasil. Os símbolos do Estado judeu têm sido frequentemente usados por igrejas evangélicas no Brasil.

Não há participantes com camisas da CBF. A maioria dos produtos vendidos são temáticos do evento, como camisetas e as faixas pra colocar na testa.

Continua após a publicidade
Fiéis lotaram ruas do centro de São Paulo na Marcha para Jesus, com bandeira gigante de Israel
Fiéis lotaram ruas do centro de São Paulo na Marcha para Jesus, com bandeira gigante de Israel Imagem: Carla Carniel/Reuters/30.mai.2024

Deixe seu comentário

Só para assinantes