PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

70% dos postos em São Paulo estão com 2ª dose da AstraZeneca em falta

Em 9 de setembro, metade dos postos na capital paulista já haviam ficado sem estoque de segunda dose da AstraZeneca - André Ribeiro/Estadão Conteúdo
Em 9 de setembro, metade dos postos na capital paulista já haviam ficado sem estoque de segunda dose da AstraZeneca Imagem: André Ribeiro/Estadão Conteúdo

Mariana Hallal

Em São Paulo

22/09/2021 11h56Atualizada em 22/09/2021 11h58

Cerca de 70% dos postos de vacinação estão sem a vacina da AstraZeneca para segunda dose na manhã de hoje na cidade de São Paulo.

O problema, que atinge 378 unidades, já tinha acontecido nas últimas semanas e havia sido resolvido com a chegada de novos lotes do imunizante, mas voltou a ocorrer.

A Prefeitura de São Paulo disse ter recebido novas doses no início do dia e que o problema deve ser amenizado à tarde.

O desabastecimento atinge 17 postos drive-thru, 13 mega postos, 329 UBSs (Unidades Básicas de Saúde), 18 postos volantes e o Parque Villa-Lobos.

O problema atinge unidades de todas as regiões, incluindo a UBS Santa Cecília, UBS José de Barros Magaldi (Itaim Bibi), UBS Vila Prudente e UBS Parelheiros.

Os dados são do site "De Olho Na Fila", mantido pela prefeitura, e foram tabulados pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde disse que "podem ocorrer faltas pontuais em algumas unidades devido à grande procura", mas que a rede municipal está remanejando as doses entre os locais de vacinação.

A pasta disse ter recebido 212.445 doses de AstraZeneca nesta manhã para entrega imediata aos postos.

Essa não é a primeira vez que os postos de vacinação da capital paulista ficam sem o imunizante. No dia 9 de setembro, metade dos postos estavam sem a vacina da AstraZeneca, problema que persistiu até a semana passada.

Para evitar prejuízos à imunização, o estado de São Paulo autorizou a aplicação de uma segunda dose de Pfizer em quem já tinha recebido a primeira de AstraZeneca. De acordo com a Secretaria de Saúde da capital paulista, a medida continua valendo.

Coronavírus