PUBLICIDADE
Topo

Passeios vetados e máscara: suspeita de coronavírus é tratada em casa em SP

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

29/01/2020 18h24

Resumo da notícia

  • Secretaria de Saúde de SP monitora três casos suspeitos de coronavírus
  • Os três pacientes estão em isolamento domiciliar
  • Familiares foram orientados a usar máscaras

Os três pacientes com suspeita de infecção por coronavírus na cidade de São Paulo, incluindo um menino de 6 e uma menina de 4 anos, estão sendo tratados em casa, segundo a Secretaria de Estado da Saúde.

Segundo a pasta, os familiares foram orientados quanto aos cuidados que devem tomar e foram instruídos a manter os doentes em isolamento, o que consiste na "restrição de contatos com outras pessoas e ambientes externos".

Os doentes não devem sair de casa e precisam evitar contato com familiares e amigos. Em casa, devem receber hidratação adequada.

Já os familiares também devem usar máscaras, higienizar as mãos e separar objetos de uso pessoal.

A secretaria informa que até o momento não há caso confirmado de coronavírus nem em São Paulo, nem no Brasil e sugere seguir o que chama de "etiqueta respiratória", a mesma adotada em casos de gripe (influenza): cobrir a boca ao tossir ou espirrar, limpar regularmente o ambiente em que está o paciente que possa estar com a doença e mantê-lo ventilado.

Segundo a diretora da Vigilância Epidemiológica, Helena Sato, "não há motivo para pânico" e o papel dos órgãos de saúde "é orientar e tranquilizar a todos".

Balanço do Ministério da Saúde desta quarta (29) diz que há nove casos suspeitos no Brasil em nove estados.

Viagem à China

Dois dos três pacientes suspeitos de terem contraído o coronavírus viajaram para a China.

O menino de 6 anos apresentou febre e tosse. Ele voltou da China em 19 de janeiro e os sintomas surgiram dia 28. A menina de 4 anos não foi à Ásia, mas teve contato com o irmão mais velho e também teve quadro de tosse e febre. As crianças foram atendidas no Hospital Infantil Cândido Fontoura, unidade de referência no atendimento pediátrico, na zona leste da capital.

O terceiro paciente é um homem de 33 anos, que retornou da China no dia 20 de janeiro. Apresentou febre, tosse e dor de garganta e foi atendido em um hospital particular.

O primeiro caso de contaminação por coronavírus surgiu na China, na cidade de Wuhan. Veja a cronologia da epidemia.

Monitoramento

A investigação dos casos é realizada pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, com apoio técnico da pasta estadual. As amostras biológicas dos pacientes foram colhidas pelo hospital onde foram atendidas e já foram para análise no Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência nacional localizado em SP.

Os resultados, assim como eventuais novos casos suspeitos ou confirmados, serão divulgados em boletins atualizados periodicamente, afirma a secretaria estadual.

Saúde