PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Brasil estuda adquirir testes rápidos e seguir modelo da Coreia do Sul

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

16/03/2020 21h55

Resumo da notícia

  • País vai adquirir 150 mil testes de laboratório para o novo coronavírus
  • Outros 30 mil kits de testagem já foram adquiridos e distribuídos pelo país
  • Testes rápidos, como os usados na Coreia do Sul, também estão nos planos da pasta
  • Segundo o secretário, Brasil não teria capacidade de testar todas as suspeitas, como orienta a OMS

O Ministério da Saúde avalia a possibilidade de adquirir testes rápidos para o novo coronavírus e está estudando a estratégia adotada pela Coreia do Sul no enfrentamento à doença. O país asiático decidiu aplicar a realização em massa de testes para identificar pessoas que contraíram o vírus.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, disse "estranhar" a recomendação do diretor-geral da OMS (Organização Mundial de Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, para que os países intensifiquem a realização de testes em casos suspeitos.

Segundo Oliveira, o país não teria capacidade de testar todos os casos suspeitos com o avanço da epidemia. "Me estranha muito a OMS recomendar dessa maneira, porque os insumos são insuficientes para testar todo mundo", disse.

Hoje, Ghebreyesus orientou que os testes sejam aplicados a todos os casos suspeitos. "Você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado. Esta é uma doença séria. Embora as evidências sugiram que aqueles com mais de 60 anos corram maior risco, jovens, incluindo crianças, morreram", disse.

Segundo o Oliveira, o Brasil vai adquirir mais 150 mil testes de laboratório para o novo coronavírus. Outros 30 mil kits de testes já foram adquiridos e distribuídos a laboratórios em todo o país.

O secretário de Vigilância em Saúde também afirmou que o governo pretende adquirir testes rápidos, à semelhança dos utilizados pela Coreia do Sul e também está em diálogo com autoridades daquele país para entender a estratégia adotada por lá.

"Nós estamos entrando em contato com a Coreia [do Sul] para avaliar o modelo coreano de realização [dos testes]. Então, nós não temos ainda o teste rápido, que é um teste parecido com um teste de gravidez, em que você coloca a amostra e ele dá uma reação", disse Oliveira.

"Esse teste ainda não está disponível no Brasil, nós estamos trabalhando para adquiri-lo e colocá-lo, aí sim a gente terá condições de ampliar a cobertura", afirmou o secretário.

"Teremos obviamente uma necessidade maior de testes, mas eu creio que o modelo coreano seja um modelo para a gente seguir, lá eles estão fazendo de uma forma mais ampliada", concluiu Oliveira.

Por enquanto, nos locais onde já há a transmissão comunitária do vírus, serão testados apenas os pacientes com casos graves da doença. Atualmente, apenas as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo apresentam transmissão comunitária. Essa forma de transmissão ocorre quando não é possível rastrear a fonte de infecção dos pacientes, o que indica que o vírus já circula entre a população.

Nas outras localidades do país, o Ministério da Saúde ainda mantém o critério de testar todos os casos suspeitos, ou seja, os pacientes que apresentem sintomas, como febre e problemas respiratórios, e tenham vindo de um outro país com circulação do vírus ou mantido contato com outro caso suspeito ou confirmado.

Saúde