PUBLICIDADE
Topo

Casos confirmados sobem para 291 no Brasil; suspeitas ultrapassam 8 mil

17/03/2020 - Pedestres utilizando máscaras de proteção ao coronavírus na região da Estação do Brooklin do Metrô em São Paulo (SP) - Flavio Corvello/Futura Press/Estadão Conteúdo
17/03/2020 - Pedestres utilizando máscaras de proteção ao coronavírus na região da Estação do Brooklin do Metrô em São Paulo (SP) Imagem: Flavio Corvello/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/03/2020 16h19Atualizada em 17/03/2020 18h24

O Ministério da Saúde divulgou na tarde de hoje que o número de casos confirmados de coronavírus subiu para 291 no Brasil. Há 8.819 casos suspeitos. Nesta manhã foi confirmada a primeira morte em função do covid-19, em São Paulo.

O estado com mais casos é São Paulo, com 164 casos confirmados, seguido pelo Rio de Janeiro (33 casos).

Por conta da demora na tramitação oficial das informações cadastradas pelos estados na plataforma federal, há mais casos no país do que o informado no boletim oficial do Ministério da Saúde.

Mesmo se levados em consideração os dados estaduais, é provável que ainda assim o número não corresponda à realidade do país. Isso porque o Ministério da Saúde anunciou que nos estados em que há circulação comunitária da doença — São Paulo e Rio de Janeiro — o SUS priorizará testes em pessoas com maior risco de desenvolver casos graves.


Brasil vai passar por dias de muito 'estresse', diz ministro

Nesta tarde, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o governo projeta um crescimento no número de casos do coronavírus entre os meses de abril e junho, o que deve pressionar a capacidade de atendimento do sistema público de saúde.

"Vamos passar 60 a 90 dias de muito estresse", disse o ministro, em apresentação hoje sobre a situação do coronavírus no país.

Segundo o ministro, apenas em julho o crescimento no número de casos deve se estabilizar. A partir de setembro, diz Mandetta, deve ser menor a quantidade de novos casos.

A afirmação foi feita com base no que aconteceu em outros países onde o vírus se espalhou mais cedo que no Brasil.

Segundo o ministro, é esperado que entre 80% a 85% das pessoas infectadas não apresentem sintomas ou tenham apenas sintomas leves, como um resfriado.

Mandetta diz que 15% dos casos terão sintomas mais graves e devem precisar de atendimento hospitalar, e que de 4% a 5% dos pacientes deverão precisar de atendimento em UTIs.

As medidas para a restrição da circulação de pessoas nas cidades, como a suspensão das aulas em alguns estados, têm o objetivo de reduzir a velocidade da transmissão do vírus e, com isso, fazer com que menos pacientes precisem de internação ao mesmo tempo.

Coronavírus