PUBLICIDADE
Topo

Suspeitas de corona são registradas como gripe na CDD, denunciam médicos

19.mar.2020 - Catadora de lixo foi internada na UPA da CDD em estado grave, com suspeita de coronavírus. Mas caso não foi registrado - Reprodução
19.mar.2020 - Catadora de lixo foi internada na UPA da CDD em estado grave, com suspeita de coronavírus. Mas caso não foi registrado Imagem: Reprodução

Herculano Barreto Filho

Do UOL, no Rio

23/03/2020 16h45

Resumo da notícia

  • Segundo denúncia, ao menos 40 casos suspeitos foram subnotificados na Cidade de Deus
  • Quatro pacientes em estado grave tiveram os seus nomes retirados do sistema, diz profissional
  • Médicos da UPA revelam orientação para registrar casos suspeitos como síndrome gripal
  • Profissionais da UPA tiveram de comprar máscaras do próprio bolso
  • Prefeitura do Rio nega escassez de equipamentos e diz que há testes para casos graves

Profissionais que atuam na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Cidade de Deus, comunidade da zona oeste do Rio de Janeiro, denunciaram ao UOL a subnotificação de ao menos 40 casos de pacientes com suspeita de terem contraído o novo coronavírus nos últimos dias. Quatro deles chegaram a ser internados em estado grave na quinta (19) e sexta-feira (20) —após serem medicados, eles foram liberados e tiveram os seus nomes retirados do sistema.

Segundo a denúncia, esses pacientes, que apresentavam sintomas semelhantes aos de quem contraiu o covid-19, foram diagnosticados com síndrome gripal, seguindo orientação fixada em frente ao computador dos médicos. A Prefeitura do Rio confirmou ontem (22) o primeiro caso de contaminação em favelas justamente na Cidade de Deus, que tem cerca de 80 mil moradores.

Os médicos que atuam na UPA da Cidade de Deus dizem que não há testes à disposição de pacientes com suspeita de contaminação pelo covid-19. Já a Prefeitura do Rio afirma que há kits em todas as UPAs e que os testes só são feitos em pacientes classificados com síndrome respiratória aguda grave, em casos de internação.

Após a confirmação de um caso da doença na Cidade de Deus, um profissional da administração da UPA —que é gerenciada pela Prefeitura do Rio— repassou ontem orientações para que casos suspeitos fossem informados aos gestores. No entanto, na prática, a rotina continuou a mesma: os médicos seguem com a recomendação para diagnosticar síndrome gripal e ainda não há um código para covid-19 no sistema.

Os médicos relatam que há um recado, em frente a seus computadores desde quinta-feira (19), sugerindo o diagnóstico de síndrome gripal adotado pela CID (Classificação Internacional de Doenças) no sistema: "avisar por mensagem para a coordenação se necessitar de internação".

"Isso induz os médicos a diagnosticar como síndrome gripal um caso suspeito do novo coronavírus. Recebemos pacientes em estado grave, que tiveram os seus nomes retirados do sistema", revela uma médica, que falou à reportagem sob a condição de anonimato.

"Há um foco de coronavírus na Cidade de Deus, que não aparece nas estatísticas por causa dessa subnotificação de casos suspeitos", diz ela.

Herculano Barreto Filho/UOL
Imagem: Herculano Barreto Filho/UOL

Na madrugada da última sexta, um morador publicou um vídeo nas redes sociais, gravado em frente à UPA da Cidade de Deus.

"Acabamos de receber a notícia de um médico que acabou de sair do seu plantão. Ele falou que tem quatro pessoas aqui com coronavírus. Uma delas é uma jovem de 18 anos, que está em estado gravíssimo. Gente, é mais sério do que a gente imagina. Irmãos, se protejam. O negócio está muito mais perto do que a gente imagina."

Catadora foi internada com taquicardia e falta de ar

Um dos casos relatados aos profissionais da UPA foi o de uma catadora de lixo, que chegou a ser internada em estado grave às 12h36 de quinta-feira, com falta de ar e taquicardia.

Porém, o caso foi registrado no sistema da unidade como síndrome gripal. Após uma melhora no quadro clínico, ela foi liberada. Entretanto, segundo os médicos ouvidos pelo UOL, o nome dela foi retirado do sistema da UPA, como se ela nunca tivesse sido atendida na unidade.

O infectologista Edimilson Migowski falou sobre o impacto negativo de casos de subnotificação do covid-19.

"Estamos diante de uma pandemia. E, nesse momento, a ideia é que se acumule um número maior de dados, que vão nortear um possível controle do problema. Se não tivermos uma boa notificação, não vamos tratar as melhores estratégias de prevenção", analisou.

Sem máscaras, profissionais compram por conta própria

Os profissionais da área de limpeza, atendimento e os próprios médicos tiveram de comprar máscara com dinheiro do próprio bolso, já que não receberam o equipamento de proteção da UPA na Cidade de Deus.

Isso contraria resolução do Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro), que determina que os médicos não atendam pacientes se não tiverem os equipamentos de proteção adequados.

O policial militar não é obrigado a ir pra rua sem arma. O profissional de saúde não é obrigado a atuar sem proteção individual. Em uma situação de calamidade, é essencial preservar a vida dele. Se adoecer, vai desfalcar as equipes de atendimento.

Edimilson Migowski, infectologista

O que diz a Prefeitura do Rio

Procurada, a Prefeitura nega ter falta de equipamentos de proteção individual aos profissionais da área de saúde. Sobre a denúncia de subnotificação em casos suspeitos de covid-19 registrados como síndrome gripal, a administração municipal informa que esse é o tipo de registro indicado para casos "brandos", com orientação de isolamento domiciliar. "E os protocolos não preveem a realização de teste", informou a Prefeitura do Rio.

Os casos mais graves são registrados como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), explica a nota. "Os casos graves são testados e encaminhados à unidade de internação. Se o resultado for positivo, é incluída no prontuário a informação 'SRAG por coronavírus'. O caso passa a ser identificado pela classificação internacional de doenças (CID) específica para Covid-19".

Morador revela apreensão na CDD

Membro da Cufa (Central Única das Favelas) e morador da Cidade de Deus, o produtor Jefferson Gonzo, conhecido como Nino CDD, revela um cenário de apreensão por causa do novo coronavírus na região.

"Estão fazendo chamadas com carro de som desde quarta-feira (18), para conscientizar as pessoas. Tem gente aqui vivendo abaixo da linha da pobreza, morando em barracos com sete pessoas dentro. Lá, está todo mundo na rua. Se tiver um foco aqui, acabou. A UPA não vai ser capaz de atender uma demanda dessas", argumentou.

Também morador da Cidade de Deus, o cineasta Rodrigo Felha diz que os moradores se mobilizaram para arrecadar mantimentos na favela. "São estratégias para minimizar o impacto dessa pandemia, que vai chegar com mais força nas favelas. Estamos tentando nos preparar."

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, já foram registrados 233 casos e quatro mortes pela covid-19 até hoje à tarde. Outras dez mortes estão sendo investigadas. Os casos confirmados ocorreram no Rio de Janeiro (212), em Niterói (10), em Petrópolis (3), em São Gonçalo (3), em Barra Mansa (1), em Guapimirim (1), em Miguel Pereira (1), e também de pessoas que vieram do exterior (2).

Coronavírus