PUBLICIDADE
Topo

Mandetta diz que fica na Saúde, mas que chegaram a limpar suas gavetas

Do UOL, em São Paulo

06/04/2020 20h25Atualizada em 06/04/2020 22h09

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou na noite de hoje que permanece no cargo após reunião que teve à tarde com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele participou de reunião com todos os outros ministros do governo e ficou fora da entrevista diária em que sua pasta apresenta o balanço sobre o avanço do coronavírus no Brasil.

O anúncio do "fico" foi feito em coletiva de imprensa marcada de última hora e que reuniu diversos secretários do ministério, na qual afirmou novamente que "médico não abandona paciente" e que vai seguir trabalhando com "ciência, foco e planejamento". Por outro lado, Mandetta disse que agora as "condições de trabalhos precisam ser para todos"

Nós vamos continuar, porque continuando a gente vai enfrentar nosso inimigo. Nosso inimigo tem nome e sobrenome: é a covid-19. Temos uma sociedade para tentar proteger. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde

Mandetta admitiu que ficou apreensivo durante o dia — embora não tenha citado formalmente a ameaça de demissão — e disse que chegaram a limpar os armários de seu gabinete e dos colegas hoje.

"Hoje foi um dia que o trabalho no ministério rendeu pouco. Ficou todo mundo com a cabeça avoada se eu ia sair. Muitos vieram em solidariedade, e agradeço. [Tinha] Gente aqui dentro limpando gaveta, pegando as coisas. Até as minhas gavetas vocês ajudaram a fazer as limpezas", disse o ministro, cuja demissão foi avaliada por Bolsonaro durante o dia.

Em sinal de apoio a sua permanência, Mandetta teve a companhia de diversos integrantes do ministério durante a coletiva: Wanderson de Oliveira (Secretário de Vigilância em Saúde do MS); João Gabbardo (secretário-executivo do Ministério da Saúde); Denizar Vianna (secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde); Erno Harzheim (secretário de Atenção Primária à Saúde); Francisco de Assis Figueiredo (secretário de Atenção à Saúde).

Reunião ministerial

Mandetta deu detalhes de como foi a reunião que teve com o presidente e com e outros ministros do governo.

"A única coisa que a gente está pedindo [é] para ter o melhor ambiente para trabalhar no Ministério da Saúde. Entendo que a reunião foi produtiva. Entendo que o governo se reposiciona para ter mais união, mais foco, de todos unidos em direção a esse problema", afirmou.

Apesar da permanência, o ministro citou um futuro fora do governo e disse que caberá ao presidente definir uma nova equipe se assim achar necessário.

"Quando eu deixar o Ministério, vamos colaborar com qualquer equipe que aqui venha, mas vamos sair juntos do Ministério da Saúde. Estamos aí à disposição da sociedade brasileira para trabalhar", disse.

Daremos nosso quinhão a mais de colaboração até quando formos importantes e fizermos diferença. Ou até quando o presidente entender que [quer] outra equipe, que não queira esse tipo de trabalho, que encontre as pessoas certas, substitua. A gente está aqui para ajudar, mesmo que venha outra equipe. A gente tem compromisso com a vida das pessoas

Mandetta x Bolsonaro

Mandetta tem sido alvo de críticas públicas do presidente Bolsonaro, que discorda de posições defendidas pelo ministro na resposta ao vírus.

O ministro tem seguido as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde), corroboradas pela maior parte da comunidade médica e científica, e estimulado medidas de distanciamento social adotadas por governadores, como a suspensão de aulas e o fechamento de parte do comércio.

Bolsonaro tem pedido a "volta à normalidade" do país e já afirmou ter o poder de determinar por decreto a reabertura de setores da economia. A demissão de Mandetta tem sido cogitada pelo presidente, segundo reportagem da Folha.

O Ministério da Saúde anunciou hoje que subiu para 553 o número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil —aumento de 67 óbitos confirmados nas últimas 24 horas. Até ontem, eram 486 mortes.

No total, são 12.056 casos oficiais no país até agora —aumento de 926 casos de ontem para hoje—, segundo o governo. Os dados anteriores indicavam 11.130 casos confirmados. A letalidade é de 4,6%, ou seja, entre cada 100 pessoas contaminadas, 4,6 morrem.

Coronavírus