PUBLICIDADE
Topo

Covid-19: 1 doente contagia 6, e casos podem dobrar em 3 dias, diz estudo

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

10/04/2020 04h00Atualizada em 10/04/2020 12h02

Resumo da notícia

  • Pesquisa publicada nos EUA indica que grau de contágio do coronavírus é muito maior do que se imaginava
  • Estimativa até agora era que uma pessoa infectada pudesse contagiar até 3 pessoas e que o total de doentes dobraria apenas após 6 dias
  • Estudo foi realizado pelo principal instituto nacional de saúde pública dos Estados Unidos
  • Cientistas coletaram casos individuais em toda a China e estimaram os parâmetros da epidemia desde a incubação"
  • Relatório de registros da doença foram cruzado com dados de viagens domésticas e de infecções precoces relatados fora da província Hubei

Um estudo publicado esta semana nos Estados Unidos indica que o grau de contágio do novo coronavírus é muito maior do que se imaginava: uma única pessoa infectada pode transmitir o vírus a 5,6 pessoas e, sem quarentena, o número de casos pode dobrar entre 2,3 e 3,3 dias.

Esse grau de contágio é muito superior ao que se cogitava até agora. Estudos anteriores estimavam que cada infectado poderia contaminar até 2,7 pessoas e que o número de doentes dobraria apenas depois de 6 ou 7 dias.

As descobertas foram feitas por seis pesquisadores e publicadas pela Centers for Disease Control and Prevention, o principal instituto nacional de saúde pública dos Estados Unidos.

"Coletamos extensos relatos de casos individuais em toda a China e estimamos os parâmetros da epidemia desde a incubação", escrevem os pesquisadores. "Em seguida, projetamos duas abordagens matemáticas para encontrar a dinâmica do surto em Wuhan [o epicentro do surto]."

As estimativas mais otimistas de contágio e disseminação se basearam nas primeiras contagens de caso em Wuhan, antes de 4 de janeiro. Esses resultados estariam "propensos a erros de medição por estarem incompletos", comum "à análise precoce de surtos de um novo patógeno".

Para chegar a resultados próximos da realidade, os autores coletaram relatórios de casos em toda a China. Eles cruzaram dados de viagens domésticas e de infecções precoces relatados fora da província Hubei, cuja capital é Wuhan. Só assim foi possível "encontrar a dinâmica do surto".

O método

Os cientistas desenvolveram duas abordagens. Na primeira, utilizaram os dados de viagens para calcular a probabilidade de uma pessoa infectada viajar de Wuhan para outra província. O objetivo era descobrir a primeira vez que uma pessoa infectada chegou a cada uma das 26 províncias chinesas. Os horários de chegada indicariam a taxa de crescimento da epidemia.

O segundo modelo contabilizou os casos de pessoas infectadas em Wuhan, mas diagnosticadas fora da província de Hubei.

Os resultados

Com os números em mãos, os cientistas acreditam que 140 mil pessoas deixaram Wuhan antes do fechamento da cidade em 23 de janeiro, principalmente durante o Ano Novo Lunar. "Foi provavelmente um impulsionador da disseminação da covid-19", escrevem.

Os pesquisadores conseguiram, assim, estimar a duração entre a exposição ao vírus, o início dos sintomas, a hospitalização e a alta ou morte. A incubação do coronavírus dura aproximadamente quatro dias, enquanto o tempo entre o início dos sintomas e a hospitalização em Wuhan levou 5,5 dias até o dia 18 de janeiro.

Eles descobriram que:

  1. O tempo entre a internação e a alta foi de 11,5 dias;
  2. O tempo entre a internação e o óbito foi de 11,2 dias;
  3. O tempo entre o início dos sintomas e a morte foi 16,1 dias.

Para chegar à estimativa de que cada infectado transmite a doença para 5,7 pessoas, os cientistas calcularam em nove dias o intervalo de exposição do doente até que ele finalmente fosse internado: quatro dias de encubação e cinco de sintomas antes do isolamento.

"O contágio pode ser menor se o intervalo de exposição [de 6 a 9 dias] cair. No entanto, estudos recentes relataram que pessoas podem transmitir o vírus por um longo período, de uma a três semanas após o início dos sintomas", diz o estudo.

Quarentena

A pesquisa calcula que 4.100 pessoas tinham covid-19 em 18 de janeiro, quantidade que saltou para 18.700 cinco dias depois, em 23 de janeiro, quando Wuhan iniciou seu bloqueio. "Sem nenhuma medida de controle, o número de infectados seria de 233 mil pessoas até o final de janeiro."

"Nossos resultados sugerem que é necessária uma combinação de medidas de controle, incluindo vigilância precoce e ativa, quarentena e esforços especiais de distanciamento social para desacelerar ou impedir a propagação do vírus", afirmam os cientistas.

Se essas medidas não forem implementadas precocemente e com força, o vírus poderá se espalhar rapidamente e infectar grande parte da população, sobrecarregando os sistemas de saúde. Steven Sanche, Yen Ting Lin, Chonggang Xu, Ethan Romero-Severson, Nick Hengartner e Ruian Ke, autores

Canadá projeta mortes entre 11 mil e 22 mil pessoas no país

AFP

Saúde