PUBLICIDADE
Topo

Em SP, 36% dos mortos por covid-19 sem doença crônica têm menos de 60 anos

Gabriela Sá Pessoa

Do UOL, em São Paulo

15/04/2020 10h00

No estado de São Paulo, pessoas com menos de 60 anos representam 36% das mortes por coronavírus, dentro do grupo de vítimas que não apresentavam comorbidades — quando há a ocorrência de duas ou mais doenças relacionadas.

Esse grupo corresponde a 36 casos de óbitos entre as 101 vítimas de covid-19 sem doenças crônicas. Ou seja, 36 pessoas morreram sem estar no grupo de risco, de acordo com dados do boletim epidemiológico mais recente, divulgado ontem pelo governo estadual.

Segundo especialistas ouvidos pelo UOL, esse percentual parece elevado, mas não significa que jovens e adultos saudáveis sofram proporcionalmente mais riscos.

"Números não muito grandes podem não ter proporções fiéis ao que acontece na população. Quanto menor a amostra, maior a flutuação [de percentuais]", afirma o epidemiologista Mauro Sanchez, da UnB (Universidade de Brasília), membro da iniciativa voluntária Covid-19 Brasil, um site que acompanha dados de todo o Brasil sobre a nova doença.

No Brasil, 27% dos casos fatais confirmados são de pacientes com menos de 60 anos. Esse percentual é o mesmo dos que morreram sem nenhuma doença crônica, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde ontem.

No final de março, um levantamento do ministério apontou que quase metade dos casos graves no país era de pacientes com menos de 60 anos. À época, a taxa de letalidade da covid-19 entre jovens adultos era de 10%.

Um possível agravamento da doença em jovens fora do grupo de risco não tem explicações claras, diz o biólogo Marcelo Mori, coordenador da força-tarefa Unicamp contra covid-19.

"Não é porque um indivíduo está no grupo de risco que vai desenvolver complicações, e não é porque ele não está que vai desenvolver. Probabilidade não é determinismo. Existem fatores que podem contribuir para o risco [de agravamento] que a gente não entende, mesmo para quem não se encaixa em grupo de risco", afirma Mori.

Coinfecção pode gerar casos mais graves

A coinfecção por coronavírus e por outras variedades de vírus da gripe, como influenza e H1N1, pode fazer com que jovens e adultos saudáveis manifestem reações mais graves.

"Qualquer doença que afete o trato respiratório, mesmo que não esteja relacionada ao grupo de risco, pode contribuir para um quadro pior da covid-19. O novo coronavírus é totalmente diferente do vírus influenza, que causa gripe. Você pode, sim, ser infectado pelos dois. Como os dois causam problemas nas vias respiratórias, esses problemas podem ser aditivos", diz o biólogo Mori. Daí a necessidade de atualizar a dose anual de vacina contra a gripe.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) chegou a emitir um alerta para o aumento no número de casos graves de covid-19 entre jovens e pessoas que não têm doenças crônicas.

Em geral, considera-se que essas pessoas estão fora do grupo de risco por terem um sistema imunológico com maior capacidade de responder à infecção pelo novo coronavírus, impedindo que ela evolua para uma pneumonia. Porém, segundo afirmou, em 3 de abril, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ainda há muitos fatores desconhecidos sobre o novo coronavírus para descartar o risco de complicações entre os mais jovens.

Morreu aos 23 anos

"Jovens, se cuidem e acreditem! É verdade: ela realmente mata! Ela é perigosa, não é uma doença apenas de idoso. Ela também pega os jovens, e ela pegou meu filho com 23 anos", declarou ao UOL, no início de abril, a microempresária Elione Aciole da Costa.

Seu filho, o gastrólogo Matheus Aciole, morreu em Natal (RN) cinco dias após ser hospitalizado. Matheus era obeso, mas segundo sua mãe nunca havia apresentado problemas de saúde.

De acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde, a obesidade é o único fator de risco em que há mais óbitos confirmados entre menores de 60 anos (31 casos) do que em idosos (21 casos). As principais comorbidades já registradas, segundo a pasta, são cardiopatia, com 592 casos, e diabetes, verificada em 446 vítimas.

Coronavírus