PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Governo não sabe nº de testes feitos nem quantos kits de covid há no país

Universidade Federal do Rio de Janeiro desenvolve novo programa de testes para coronavírus - Andre Coelho/Getty Images
Universidade Federal do Rio de Janeiro desenvolve novo programa de testes para coronavírus Imagem: Andre Coelho/Getty Images

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

28/04/2020 04h01

Resumo da notícia

  • País não tem base unificada de testes adquiridos por estados, municípios e rede privada
  • Falta de controle e transparência tornam incerto o número de testes oferecidos
  • Monitoramento independente põe Brasil entre os que menos testa no mundo
  • Governo federal planeja 46,2 milhões de testes até setembro

Enquanto o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, estabelece a testagem ampla da população como uma de suas principais metas, o governo federal não sabe dizer quantos testes já foram feitos ou quantos kits há disponíveis em todo país.

Com meta própria de oferecer 46,2 milhões de testes até setembro, o governo federal desconhece quanto oferecem a iniciativa privada, estados e municípios. A União afirma que já distribuiu 2,5 milhões de testes. O estado de São Paulo divulga que tem 1,3 milhão.

"Saber a quantidade de testes disponíveis por estados e, se possível, por municípios, é fundamental para interpretar corretamente o número de casos confirmados em cada região e acompanhar essa política", afirma Fernanda Campagnucci, diretora-executiva da OKBR (Open Knowledge Brasil), organização que criou a plataforma Transparência Covid-19.

De acordo com o levantamento, apenas quatro estados brasileiros divulgam a quantidade de testes oferecidos: Espírito Santo, Goiás, Pernambuco e Paraná. São Paulo tem feito a divulgação de suas compras via assessoria de imprensa.

Ontem, durante entrevista coletiva, o ministério respondeu ao UOL que "a integração dessas bases [federal, estadual e municipal] é o que estamos buscando agora para otimizar". A pasta calcula que a rede privada tenha realizado 40 mil testes até agora.

Diante da falta de informação, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta chegou a pensar em pedir à Polícia Federal que acompanhasse o envio de informações para a base de dados do ministério, mas acabou desistindo. Em São Paulo, a Defensoria Pública da União ajuizou na quarta-feira (22) uma ação contra a União, o estado de São Paulo e a cidade de São Paulo exigindo a abertura de dados com informações sobre o novo coronavírus.

Quando o coronavírus desembarcou no Brasil, em fevereiro, o ministério planejava oferecer apenas 1 milhão de testes, número que subiu para 2,3 milhões, depois 10 milhões, 23 milhões e, finalmente, 46,2 milhões no final de abril.

Além da falta de números e de testes, há demora no processamento dos exames colhidos. Na segunda (27), o governo informou a realização de 181.360 exames para vírus respiratórios (como influenza A e B), incluindo covid-19. Esse total representaria 864 testes para cada milhão de habitantes. Mas o governo não informa quantos desses testes são exclusivamente voltados para o novo coronavírus.

Outros 158 mil testes ainda aguardam resultado: 42.678 exames foram registrados nas unidades de saúde, mas não chegaram ao laboratório, enquanto 115.514 testes chegaram aos laboratórios, mas não foram analisados.

O total de 339.360 exames é inferior aos 360.005 testes registrados no GAL (Sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial) até o dia 26 e abril. Aproximadamente 62,3% deles (224.196) já haviam sido realizados.

Testagem para conter a pandemia

Para a Organização Mundial da Saúde e para infectologistas, a testagem ampla é um dos passos mais importantes para o sucesso no combate à covid-19.

"Três dos países com as melhores experiências foram Coreia do Sul, Islândia e Alemanha, que fizeram muitos testes, em massa", afirma a infectologista do Hospital Emilio Ribas, Rosana Richtmann.

Ela explica que, com mais testes, é possível quebrar o ciclo de transmissões, isolando pacientes que têm o vírus, mas não sabem.

De acordo com com o Worldometers —que compila informações da OMS (Organização Mundial da Saúde), dos Centros de Controle e Prevenção dos países e publicações científicas—, o país com mais testes por milhão de habitantes é a Suíça (20.625 testes por milhão de habitantes), seguido pela Alemanha: 15.730 por milhão.

Os dados do Brasil informados pelo site não são confirmados pelo Ministério da Saúde daqui. A página calcula 291 mil testes já realizados no país, o que nos coloca com uma média de 1.373 testes por milhão de habitantes — atrás de países ricos, como os citados acima, mas também pior do que os índices reportados por Venezuela (14 mil por milhão de habitantes) e Peru (7,2 mil por milhão de habitantes).

Testes rápidos

Dos 46,2 milhões de testes prometidos pelo governo federal até setembro, 24,2 milhões são do tipo RT-PCR, o molecular, considerado o "padrão ouro", usado massivamente na Alemanha. Os outros 22 milhões são testes rápidos — considerados úteis pelos médicos, embora com ressalvas.

Segundo o ministério da Saúde, cada teste molecular custa, em média, R$ 71, ou aproximadamente R$ 1,7 bilhão para os 24,2 milhões encomendados. Desse montante, 10 milhões foram comprados da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde). Na semana passada, desembarcaram 500 mil, número que deve saltar para 800 mil semanalmente a partir de segunda-feira (27).

Já a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) produzirá 11 milhões de testes moleculares até o mês de setembro. "A Fiocruz passará de uma produção de 60 mil testes em março para 1,2 milhão em abril e 2,4 milhões em maio. De junho a setembro, serão 2 milhões de testes por mês", afirmou a fundação ao UOL.

Teste rápido é alternativa

Apesar de precisos, os testes moleculares são considerados caros e têm processamento mais demorado. Por isso, os testes rápidos são uma alternativa bem-vinda, segundo Rosana Richtmann.

"É bem mais barato, consegue fazer no meio da rua com uma gota de sangue e fica pronto em alguns minutos", afirma.

Dos 22 milhões de testes rápidos que o governo pretende distribuir, 7 milhões foram doados pela mineradora Vale. O restante será comprado, mas o custo só será conhecido depois que a pasta escolher os fornecedores que participaram do chamamento público aberto na semana passada.

Se o exame molecular informa se a pessoa está doente no dia do teste, a versão mais barata detecta quem já teve contato com o vírus, pois identifica anticorpos. Richtmann explica como a testagem rápida em massa poderia ajudar uma cidade como Campinas, no interior de São Paulo:

"Se conseguir rastrear toda a cidade, seria possível saber qual a porcentagem da população que já teve contato com o vírus, está imune, com anticorpos. Com essa informação, seria possível dizer quem pode voltar ao trabalho", diz.

Agora, se o vírus não circulou na cidade, toda a população está sob risco e é preciso reforçar a quarentena
Rosana Richtmann, infectologista

"Esse teste é fácil, custa muito menos, mas a sensibilidade dele varia de 35% a 70% dependendo do fabricante. Acho ótimo, mas tem de ser teste validado."

Até o dia 23 de abril, a Anvisa havia registrado 39 testes rápidos no Brasil.

Coronavírus: Número de testes é insuficiente no Brasil

Band Notí­cias

Coronavírus