PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Pacientes relatam banho frio e banheiro sujo em hospital de campanha de SP

Hospital de Campanha do Anhembi, na zona norte de São Paulo, montado para tratar pacientes de covid-19 - Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo
Hospital de Campanha do Anhembi, na zona norte de São Paulo, montado para tratar pacientes de covid-19 Imagem: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

14/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Pacientes relatam água fria em parte dos chuveiros e banheiros sujos no hospital de campanha do Anhembi
  • Eles não acreditam que seja descaso dos funcionários, mas consequência da diarreia provocada pela covid-19
  • Em relação ao tratamento recebido, os pacientes foram elogiosos aos médicos e enfermeiros
  • Secretaria municipal de Saúde foi procurada para responder sobre a situação e não se manifestou

Pacientes que receberam alta do hospital de campanha do Anhembi eram gratos pelo atendimento recebido, mas declararam que havia itens carentes de melhorias, como chuveiros com água fria e banheiros sujos.

A maioria não quis se identificar na reportagem do UOL, mas Luciana Teixeira, 45 anos, não se importou em revelar o nome e contar que, nos sete dias em que esteve internada para se recuperar da covid-19, ficou cuidando do trânsito na porta do banheiro, porque não queria tomar banho gelado.

Ela afirmou também que havia problemas de higiene, porque a covid-19 provoca diarreia em parte dos contaminados. Não foram poucas as vezes em que a paciente precisou trocar de banheiro por falta de condições de uso, conta Luciana. Ela ressaltou que não considera a situação como descaso dos funcionários, mas, sim, uma decorrência do uso demasiado dos vasos sanitários, situação que nem sempre permitia tempo para limpeza.

O hospital de campanha do Anhembi tem 519 pessoas internadas de acordo com o boletim divulgado ontem. A assessoria de imprensa da prefeitura de São Paulo informou que levará as considerações apontadas em conta para melhorar o atendimento.

Luciana falou que a situação dos banheiros fazia parte das conversas que mantinha com as vizinhas, no hospital de campanha do Anhembi. O vaso sanitário virou assunto, para evitar perder a viagem ou esperar muito tempo. Por isso, a pergunta frequente era se alguém sabia de um local em condições de uso.

Na hora do banho, ela ia sempre ao mesmo lugar. "Você aprende qual chuveiro tem água quente e vai sempre no mesmo."

Vento causava frio

Outra situação que Luciana acredita que não é a ideal é o vento. Como o Anhembi é um pavilhão, ela chamou o local de "descampado", por isso sentia frio quando saia debaixo das cobertas.

O local é iluminado 24 horas por dia, ou seja, não é o ambiente apropriado para pegar no sono. Mas só de receber cuidados em meio à pandemia do novo coronavírus fazia ela agradecer e relevar essas duas últimas condições do hospital de campanha.

A paciente ressalta que o atendimento era bom e prestado por profissionais atenciosos, fossem médicos ou enfermeiros. Outras pessoas que foram atendidas fizeram relatos semelhantes — um paciente falou que pela primeira vez comeu uma comida de hospital gostosa.

Todos foram unânimes em dizer que o dia mais difícil foi domingo, por ser Dia das Mães e estarem isolados. Os hospitais de campanha não permitem visitas, e restou contar histórias da família para aplacar a saudade.

Por meio de nota, a prefeitura da capital informou que vai avaliar as observações das pessoas que se foram internadas no local e usar as considerações para melhorar o serviço prestado.

"A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), informa que o reconhecimento à eficiência do atendimento médico e todas as observações declaradas pelos ex-pacientes entrevistados pela reportagem do UOL serão consideradas para melhorar ainda mais o bom trabalho que todos os profissionais do HMCamp do Anhembi estão prestando à população desde que a cidade de São Paulo passou a enfrentar a pandemia provocada pela disseminação do coronavírus", informa trecho da nota.

Siga o UOL no

Coronavírus