PUBLICIDADE
Topo

China diz que agiu com rapidez e transparência em relação ao coronavírus

Bandeira da China  - Reprodução
Bandeira da China Imagem: Reprodução

Da AP

07/06/2020 09h06

Autoridades chinesas divulgaram um longo relatório hoje sobre a resposta do país à pandemia do novo coronavírus, defendendo as ações de seu governo e dizendo que a China forneceu informações de maneira oportuna e transparente.

O relatório diz que a China "não perdeu tempo" em compartilhar informações como a sequência do genoma do novo vírus com a Organização Mundial da Saúde (OMS), bem como com os países e organizações regionais relevantes.

Uma investigação da Associated Press descobriu que os laboratórios do governo estavam segurando o mapa genético do vírus por mais de uma semana em janeiro, atrasando sua identificação em um outro país e o compartilhamento de informações necessárias para desenvolver testes, medicamentos e uma vacina.

O presidente da Comissão Nacional de Saúde, Ma Xiaowei, não abordou as descobertas específicas no relatório da AP, mas disse que este alegado atraso "contraria seriamente os fatos".

Ele acrescentou que havia muitas incógnitas na fase inicial do surto e que levou tempo para reunir evidências e descobrir as características do novo vírus.

"O governo chinês não atrasou ou encobriu nada", disse ele. "Em vez disso, relatamos imediatamente dados de vírus e informações relevantes sobre a epidemia à comunidade internacional e fizemos uma importante contribuição para a prevenção e controle da epidemia em todo o mundo."

Ele assinalou uma série de ações do governo a partir de uma linha do tempo detalhada no relatório do governo. A linha do tempo diz que a China começou a atualizar a OMS regularmente em 3 de janeiro e que o chefe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China informou o chefe do CDC dos EUA em 4 de janeiro.

As autoridades americanas criticaram a resposta precoce da China, aumentando a deterioração das relações entre Estados Unidos e China sobre comércio e tecnologia e protestos pró-democracia em Hong Kong.

Questionado sobre como a China iria reparar suas relações com o resto do mundo, o vice-ministro das Relações Exteriores Ma Zhaoxu disse que a cooperação sobre a pandemia melhorou os laços com a maioria dos outros países.

Sem nomear os Estados Unidos, ele disse: "Certos países vão contra a maré da história. Para disfarçar sua resposta inadequada à covid-19, eles insanamente mancharam e caluniaram a China. Em resposta a essa prática de bode expiatório, a China certamente reagirá."

O relatório, que tem 66 páginas na versão em inglês, elogiou o sucesso da China em reduzir o aumento diário de novos casos para dígitos únicos em cerca de dois meses e a "vitória decisiva" na batalha para defender a província de Hubei e sua capital, Wuhan, em cerca de três meses.

Wuhan, onde os primeiros casos do vírus foram detectados no final do ano passado, foi a parte mais atingida pela China no surto. A cidade e logo depois grande parte da província de Hubei foram bloqueadas por cerca de dois meses e meio para impedir a propagação do vírus para o resto do país.

O relatório creditou ao líder chinês Xi Jinping a decisão de 22 de janeiro de interromper Wuhan cortando as ligações de transporte e proibindo as pessoas de sair ou entrar na cidade.

Coronavírus