PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Mandetta diz que escondeu projeções pessimistas da pandemia: 'Não ajudava'

Ex-ministro prometeu revelar cálculos de sua gestão ao fim da pandemia -
Ex-ministro prometeu revelar cálculos de sua gestão ao fim da pandemia

Do UOL, em São Paulo

07/07/2020 15h24

Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, afirmou hoje que números e previsões a respeito da pandemia do novo coronavírus foram escondidos do público durante sua gestão à frente da pasta, encerrada em abril.

Em entrevista hoje à Globonews, Mandetta explicou que projeções mais pessimistas não foram trazidas à tona porque isso "não ajudava" e poderia provocar uma situação mais preocupante em meio à população.

"Nós tínhamos cenários — o meu sempre foi o mais duro, isso é verdade. Mas eu nunca coloquei em público porque achei que isso, primeiro, não ajudava. A gente tinha que lutar para que isso não acontecesse, e eu achava que se falasse 100 mil, 80 mil, 120 mil (óbitos), eu estaria colocando todo mundo em um pacote só — quando, atrás de cada número desse, tem uma família", disse.

Mandetta prometeu que, ao fim da pandemia, divulgará as projeções feitas pelas lideranças de seu ministério — como João Gabbardo e Wanderson de Oliveira — quando "terminar essa pandemia". Havia ainda um cálculo de consenso, segundo ele.

Mesmo fora do ministério há quase três meses, Mandetta segue atento à pandemia e demonstra preocupação com o cenário brasileiro.

"Infelizmente, os números são muito elevados. Estamos trabalhando há um bom tempo com uma média de mais de mil casos por dia; se continuarmos nesse ritmo, vamos ter mais de 30 mil nesse mês", calculou.

"Estamos começando ainda em algumas cidades. Temos epidemias com diferentes momentos. Temos Minas Gerais com transmissão intensa, tanto capital como interior (...). Estamos iniciando o inverno no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, sendo que historicamente são nossos piores índices por conta da faixa etária. É um desafio enorme a região Sul."

Coronavírus