PUBLICIDADE
Topo

1,2 milhão de pessoas já tiveram covid-19 na cidade de SP, diz prefeitura

Pedestres usam máscara de proteção contra o coronavírus na rua 25 de Março, em São Paulo - Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Pedestres usam máscara de proteção contra o coronavírus na rua 25 de Março, em São Paulo Imagem: Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

09/07/2020 12h16Atualizada em 10/07/2020 09h07

A Prefeitura de São Paulo estimou hoje que 1,2 milhão de pessoas na cidade já foram infectadas pelo coronavírus, o que representa 9,8% da população da capital paulista.

O dado faz parte da fase 1 do inquérito sorológico criado pela prefeitura para monitorar os casos de covid-19 na cidade e foi apresentado na manhã de hoje pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) e pelo secretário Municipal de Saúde, Edson Aparecido.

O percentual ficou próximo ao patamar apontado na fase 0 (teste), que foi de 9,5% (1,16 milhão de pessoas infectadas).

A margem de erro da pesquisa é de 2,1%, o que significa que o percentual da população infectada na capital paulista pode variar de 7,4% a 11,6%.

Oficialmente, a cidade de São Paulo tem 176.303 casos oficiais de covid-19 e 13.311 mortes (sendo que 5.422 estão como suspeitos), de acordo com o último boletim divulgado ontem (com dados até 7 de julho) pela Secretaria Municipal de Saúde.

Maioria dos infectados é pobre e de baixa escolaridade

De acordo com o inquérito apresentado, as características predominantes das pessoas que tiveram covid-19 são:

  • Idade entre 35 e 49 anos
  • Nunca estudaram
  • Pertencente às classes D e E
  • Moram em casas com cinco ou mais pessoas acima de 18 anos
  • Não praticaram distanciamento social
  • Trabalham fora ou em regime misto (alguns dias fora)

"Os fatores de risco para a infecção pelo coronavírus na cidade se confirmam como aqueles indivíduos de maior pobreza, de maior vulnerabilidade, de menor escolaridade, de menor renda e de maior número de moradores [na mesma casa]", declarou o secretário Edson Aparecido.

Ampliação da pesquisa

A prefeitura também anunciou que vai ampliar de cinco para nove as fases do inquérito sorológico. Com a mudança, a pesquisa passará a ter etapas que vão de 0 a 8.

Na coletiva de hoje, foram apresentados resultados da fase 1, com dados de 29 de junho a 6 de julho. Nesse período, os profissionais de saúde visitaram 5.772 domicílios e testaram 2.864 pessoas em 96 distritos da capital. Os resultados da fase 0, que foi um teste, já haviam sido apresentados pela prefeitura.

A partir dos resultados obtidos nessa 1ª fase, a prefeitura decidiu ampliar a testagem para pessoas que moram na mesma casa de casos assintomáticos e suspeitos de covid-19 em 14 regiões da cidade. São elas: Brasilândia, Cachoeirinha, Jaçanã, Liberdade, Santa Cecília, Cidade Ademar, Jardim São Luís, Campo Limpo, Capão Redondo, Parque São Lucas, Sapopemba, Itaim Paulista, Itaquera e Lajeado.

Segundo a prefeitura, a medida terá impacto importante no controle da disseminação da doença nas áreas mais vulneráveis. Essas áreas serão atualizadas quinzenalmente, de acordo com cada fase do inquérito. Hoje a cidade faz, em média, 5.000 testes por dia, segundo a prefeitura.

"Nesses 14 distritos com maior incidência nós vamos fazer um trabalho de campo ainda mais presente com ações em cima de todas as pessoas que estiverem sintomáticas, todas que tiverem testado positivo com teste PCR, acompanhando a família dessas pessoas e fazendo pelo menos cinco testes em familiares que convivam com essa pessoa para poder fazer o acompanhamento da disseminação do vírus na cidade", disse o prefeito Bruno Covas.

Coronavírus