PUBLICIDADE
Topo

Saúde

"Povo brasileiro não será cobaia", diz Bolsonaro sobre CoronaVac

Presidente Jair Bolsonaro disse que não comprará vacina CoronaVac antes de comprovação de eficácia. -
Presidente Jair Bolsonaro disse que não comprará vacina CoronaVac antes de comprovação de eficácia.

Do UOL, em São Paulo

21/10/2020 09h49

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou hoje, em mensagem oficial no Facebook, que não comprará a vacina CoronaVac, como anunciado ontem pelo Ministério da Saúde, antes de ela ser certificada pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Chamando a vacina desenvolvida pelo laboratório Sinovac de "chinesa" e "de João Doria", em referência ao fato de o governo de São Paulo ser o principal incentivador da vacina, Bolsonaro disse que o "povo brasileiro não será cobaia" e não "se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem". Ele colocou algumas frases em caixa alta.

"A vacina chinesa de João Dória: Para o meu Governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa. O povo brasileiro não será cobaia de ninguém. Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem. Diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a referida vacina", escreveu.

A declaração oficial desautoriza anúncio de ontem do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que em reunião com governadores informou que o governo compraria 46 milhões de doses do imunizante. Em contato com o UOL, o ministério da Saúde disse que ainda não tem uma posição oficial sobre o tema após as declarações de Bolsonaro.

Embora sustente que a vacina tem que ter comprovação científica, o presidente defende há meses o uso da hidroxicloroquina contra a covid-19, que, segundo estudos, não é eficaz. Na semana passada, a OMS (Organização Mundial da Saúde) publicou um estudo em que afirma que os remédios remdesivir e cloroquina/hidroxicloroquina não funcionam no tratamento contra o coronavírus.

Bolsonaro foi questionado sobre a contradição por um seguidor:" Ué?? E por que a cloroquina não precisou de aval da Anvisa? Não estou te entendendo, presida."

Bolsonaro respondeu: "tomava a hidroxicloroquina depois de contaminado ou não tomava nada. Simples, ninguém obrigava tomar a HCQ".

Brasil assinou compra da vacina de Oxford sem autorização da Anvisa

Apesar de dizer que não comprará vacina não autorizada pela Anvisa, em 6 de agosto, Jair Bolsonaro assinou MP (Medida Provisória) que libera R$ 1,9 bilhão para produção, compra e distribuição de 100 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório Astrazeneca. No Brasil, a pesquisa sobre esse imunizante é liderada pela Fiocruz.

As vacinas da Sinovac e da Astrazeneca estão na mesma fase 3, o estágio em que são feitos testes massivos do imunizante. Nenhuma delas ainda tem eficácia comprovada nem autorização de uso pela Anvisa.

Resposta a seguidores

Mais cedo, Bolsonaro já havia indiciado que tomaria a decisão em resposta a seguidores no Facebook.

"Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da Ditadura chinesa", comentou um seguidor. Na sequência, Bolsonaro respondeu: "Não será comprada".

Bolsonaro também se manifestou em outra publicação, na qual o seguidor disse que o presidente traiu os eleitores ao comprar a vacina.

"Qualquer coisa publicada, sem qualquer comprovação, vira traição", respondeu Bolsonaro, afirmando que as notícias publicadas sobre a intenção de compra eram mentirosas.

Muitos apoiadores de Bolsonaro criticam o acordo porque a China é um governo de esquerda. Outros reclamam porque a CoronaVac está sendo desenvolvida em parceria com o governo de São Paulo, gerido por João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro.

Acordo

Segundo informações divulgadas ontem, os 46 milhões de doses devem ser entregues até dezembro de 2020. Destas, 6 milhões serão produzidas na China e entregues em frascos unidose; os 40 milhões restantes, em frascos multidoses, ficarão a cargo do Instituto Butantan.

O cronograma indica ainda que mais 15 milhões de frascos multidoses serão distribuídos até fevereiro de 2021. Já em junho de 2021, a previsão é que sejam entregues outros 40 milhões de frascos multidoses, todos produzidos pelo Butantan.

Além da CoronaVac, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) deve começar, a partir de abril, a produção própria da vacina da AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford (Reino Unido), e disponibilizar ao país até 165 milhões de doses ao longo do segundo semestre de 2021.

Como a Butantan-Sinovac e a AstraZeneca-Oxford estão em etapas avançadas de produção — ambas em fase 3, a última do processo, quando são testadas em milhares de pessoas —, a previsão é que a vacinação comece em janeiro de 2021. Mas elas ainda devem ser liberadas pela Anvisa e ter eficácia e segurança garantidas, como determina o Ministério da Saúde.

Saúde