PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
9 meses

Entidades lançam carta em defesa de vacina contra a covid-19 no SUS

Frente pela Vida lançou documento contra venda de vacinas na rede privada - iStock
Frente pela Vida lançou documento contra venda de vacinas na rede privada Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo.

06/01/2021 15h02

Um total de 29 entidades representando membros da sociedade civil e profissionais da saúde assinaram a carta divulgada ontem pela Frente pela Vida em defesa da vacinação pelo sistema público e contra a imunização na rede privada.

A carta intitulada "Vacinar no SUS é um direito de todas e todos e um dever do Estado" foi lançada depois de ser noticiado, no final de semana, que clínicas privadas negociam a importação de 5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento na Índia pelo laboratório Bharat Biotech.

O documento afirma que "numa sociedade como a nossa, marcada por grotescas desigualdades sociais, é moralmente inaceitável que a capacidade de pagar seja critério para acesso preferencial à vacinação contra a Covid-19. Caso isso ocorra, uma fila com base em riscos de se infectar, adoecer e morrer será desmontada. É inadmissível, portanto, permitir que pessoas com dinheiro pulem a fila de vacinação por meio da compra de vacinas em clínicas privadas".

A fila citada são os grupos prioritários definidos pelo Plano de Operacionalização da Vacinação, apresentado em dezembro pelo Ministério da Saúde.

Assinam a carta o CNS (Conselho Nacional de Saúde), a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), Abem (Associação Brasileira de Educação Médica), ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos), SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade), CNTS (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde), Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), ABL (Articulação Brasileira de Lésbicas), UBM (União Brasileira de Mulheres) e outras.

A Frente pela Vida é uma iniciativa formada por quatorze entidades científicas da saúde e bioética e pelo CNS e foi criada com o objetivo de lançar um movimento amplo para enfrentar a pandemia da covid-19, com base em evidências científicas.

"Somente o SUS, por intermédio do Programa Nacional de Imunização (PNI), poderá garantir a vacinação de toda a população brasileira com base nesses critérios. Seringas, agulhas, insumos de biossegurança e adequada logística e competência são necessárias para atingirmos este objetivo", diz outro trecho da carta.

A Frente encerra o documento dizendo que a "abertura da vacinação para clínicas privadas pode impactar negativamente o controle da pandemia, aumentar as desigualdades sociais na saúde e os riscos inerentes ao prolongamento da circulação do vírus na população. A mercantilização da vacina nãO será tolerada por um Brasil que luta pela vida, por um país mais justo e solidário.

Saúde