PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
3 meses

BH tem protestos após aumentar restrições para conter avanço da covid-19

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

11/01/2021 14h38Atualizada em 11/01/2021 16h48

Belo Horizonte amanheceu hoje com o comércio fechado e apenas serviços essenciais autorizados a funcionar, seguindo as novas restrições impostas pela prefeitura para conter o avanço do coronavírus. A medida gerou protestos contra o prefeito Alexandre Kalil (PSD), chamado de "incompetente" e "lixo" por manifestantes reunidos em frente ao prédio da administração municipal.

O ato começou pouco depois das 10h, segundo a BHTrans, e chegou a fechar o trânsito na Av. Afonso Pena nos dois sentidos. Manifestantes carregavam faixas com palavras de ordem contra as restrições — "a culpa não é nossa, nós já fizemos nossa parte!" — e contra o prefeito — "fora, Kalixo!". O protesto foi encerrado por volta das 12h30.

Procurada pelo UOL, a prefeitura disse lamentar "profundamente" os impactos que vêm sendo causados pela pandemia na atividade econômica, destacando que tem mantido diálogo com esses setores para "construir conjuntamente alternativas e soluções para redução de danos".

O município informou ainda que vai se reunir com representantes de entidades impactadas pelas restrições ainda nesta semana, em data e horário a serem definidos.

O decreto que restringiu o funcionamento do comércio foi publicado pela prefeitura no último dia 8 e é válido por tempo indeterminado. Estabelecimentos como bares e restaurantes, por exemplo, só podem funcionar no regime de delivery ou retirada, sem consumo no local. Casas de shows, boates, shopping centers, salões de beleza, cinemas e academias também devem fechar.

Somente praças e parques públicos (inclusive o zoológico) permanecem abertos, com visitação disponível por agendamento. Os atendimentos presenciais no BH Resolve também foram mantidos, ainda que com restrições.

"O município seguirá monitorando os indicadores epidemiológicos (...) para avaliar sobre a possibilidade de mudanças no processo de reabertura. O fechamento das atividades não essenciais não tem qualquer caráter punitivo ao comércio. O objetivo é diminuir o volume de pessoas em circulação para conter a expansão do contágio. Tão logo os indicadores permitam, o processo de flexibilização será retomado", acrescentou a prefeitura.

Segundo dados levantados pela Secretaria Municipal de Planejamento, 156.958 empresas de serviços e de atividades essenciais seguem autorizadas a funcionar, o que representa 84% do total instalado na capital mineira.

Na semana passada, o secretário André Reis explicou que as restrições foram tomadas após a população ignorar os vários avisos feitos pela prefeitura ao longo de dezembro. "Mesmo diante do alerta, muitas pessoas não cumpriram as medidas de segurança, e o resultado foi o aumento na demanda por leitos", lamentou.

Belo Horizonte já soma 68.213 casos confirmados de covid-19 desde o início da pandemia, além de 1.938 mortes, segundo último boletim disponível no site da prefeitura. A ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes infectados pelo coronavírus chegou a 83,3%, considerado crítico.

Coronavírus