PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Governador do AC pede fechamento de fronteiras com Bolívia, Peru, AM e RO

O governador do Acre, Gladson Cameli - Reprodução/Facebook
O governador do Acre, Gladson Cameli Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

27/01/2021 10h14Atualizada em 27/01/2021 10h46

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), afirmou que pediu ajuda do governo federal para fechar as fronteiras do estado com a Bolívia e o Peru, além das divisas com Amazonas e Rondônia.

Por meio das redes sociais, o governador disse na noite de ontem que o motivo de seu pedido é o avanço da nova variante do coronavírus detectada em Manaus.

"Estou muito preocupado com o avanço da variante do coronavírus. Em conversa ao telefone com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, solicitei apoio da União para imediato fechamento das fronteiras (Bolívia e Peru) e divisas (Amazonas e Rondônia) do Acre", escreveu Cameli.

Boa tarde, meus amigos! Estou muito preocupado com o avanço da nova variante do coronavírus. Por isso, em conversa por...

Publicado por Gladson Cameli em Terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Segundo o governador, os vizinhos passam por momentos difíceis no enfrentamento à pandemia, e o Acre que evitar que se repita o colapso do sistema de saúde observado em alguns deles, como no Amazonas e em Rondônia, onde pacientes tiveram de ser transferidos para outros estados por causa da falta de cilindros de oxigênio.

"A rede pública de saúde do Acre atende uma parte dos moradores de Rondônia, Amazonas, Bolívia e Peru. Não queremos, de forma alguma, negar ajuda aos nossos irmãos, mas temos um 1 milhão de acreanos que dependem do atendimento em nossos hospitais", afirmou.

Cameli disse que o ministro Ernesto Araújo assegurou que daria uma resposta ao pedido, porém não informou quando isso ocorreria. O governador afirmou ainda que o fechamento das fronteiras seria mantido até que a situação se amenize nos vizinhos.

"Queremos o fechamento de nossas fronteiras e divisas até que a situação seja amenizada. Nossa prioridade é salvar vidas e continuaremos com o mesmo empenho até o último dia dessa pandemia", declarou.

Coronavírus