PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Em São Paulo, Saúde "não recomenda, mas não proíbe cloroquina" em hospital

Médicos têm autonomia para decidirem sobre uso da cloroquina, diz Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo -
Médicos têm autonomia para decidirem sobre uso da cloroquina, diz Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo

Anahi Martinho

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/03/2021 04h00

Mesmo após diversos estudos apontarem a ineficácia da cloroquina no tratamento de covid-19, o medicamento continua sendo receitado em hospitais da rede pública.

Procurada pelo UOL, a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo informou que "não recomenda, mas também não proíbe" o uso da cloroquina para tratar pacientes com covid-19.

Segundo comunicado da secretaria, a decisão de receitar ou não o remédio é dos próprios médicos.

O órgão afirmou ainda que há estoques do medicamento nos hospitais municipais desde o dia 9 de abril de 2020, com base em recomendações do Ministério da Saúde.

"A Secretaria Municipal da Saúde informa que não recomenda a prescrição da cloroquina e hidroxicloroquina para tratamento da covid-19, mas não a proíbe. O órgão destaca que a conduta clínica é sempre definida pelo médico, seguindo a orientação do Conselho Federal de Medicina que pontua a autonomia dos médicos na prescrição", diz o comunicado.

O CFM (Conselho Federal de Medicina) confirma que deixa a cargo dos médicos e dos próprios pacientes a escolha sobre usar ou não o medicamento.

"É decisão do médico realizar o tratamento que julgar adequado, desde que com a concordância do paciente, esclarecendo que não existe benefício comprovado no tratamento farmacológico dessa doença e obtendo o consentimento livre e esclarecido", disse a assessoria de imprensa do CFM ao UOL.

O órgão afirma ainda que "respeita a autonomia do médico e do paciente para que ambos, em comum acordo, estabeleçam qual tratamento será realizado" e afirma respaldar a decisão na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

"A autonomia do médico e do paciente são garantias constitucionais, invioláveis, que não podem ser desrespeitadas no caso de doença sem tratamento farmacológico reconhecido, como é o caso da covid-19", diz o CFM.

Na última segunda-feira (1º), a Organização Mundial da Saúde publicou uma diretriz na qual pede fortemente que a hidroxicloroquina não seja usada como tratamento preventivo da covid-19. O documento foi divulgado na revista científica "The BMJ".

A "forte recomendação" da OMS contra o uso da hidroxicloroquina se baseia em testes clínicos que contaram com a participação de 6.059 pessoas. As evidências mostraram com um "alto grau de certeza" que a hidroxicloroquina não tem efeito significativo em prevenir mortes ou internações de pessoas infectadas pelo vírus.

Em janeiro, médicos da rede pública de saúde do Amazonas afirmaram sofrer pressões e ameaças de pacientes para que receitassem hidroxicloroquina. Em Santa Catarina, uma paciente de 72 anos foi medicada com cloroquina e ivermectina. Ela teve piora no quadro de saúde e precisou ser internada dez dias depois.

Drogas como azitromicina e ivermectina, que integram o chamado "tratamento precoce" da covid-19, que não tem comprovação científica de eficácia contra a doença, mas é estimulado pelo Ministério da Saúde e pelo presidente Jair Bolsonaro, podem causar arritmia cardíaca, sangramentos e inflamação no fígado, segundo especialistas.

Coronavírus