PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Conselho de Secretários aponta 'zelo excessivo' de Anvisa com Sputnik V

Carlos Eduardo Lula, secretário de Saúde do Maranhão - Karlos Geromy/Governo do Maranhão
Carlos Eduardo Lula, secretário de Saúde do Maranhão Imagem: Karlos Geromy/Governo do Maranhão

Colaboração para o UOL

13/04/2021 09h44Atualizada em 13/04/2021 09h51

O presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, Carlos Lula, criticou hoje o "excesso" de cuidado que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a liberação do uso emergencial da vacina anticovid russa Sputnik V. Para ele, o momento crítico da pandemia faz com que o país tenha urgência em ter novas vacinas o mais breve possível.

"A gente teve conversas com a Anvisa semana passada. A Anvisa agora aparenta querer fazer uma visita à Russia pra verificar as condições de segurança da Anvisa. Eu respeito muito a Anvisa, mas me parece que ela nesse caso tá pecando por excesso.", disse ele em entrevista à CNN Brasil na manhã de hoje.

Ontem, a Anvisa anunciou que a visita à Russia que faria para inspeção das fábricas da vacina precisou ser adiada por pedido do Fundo Soberano Russo, responsável pela comercialização do imunizante. Para Carlos Lula, há um zelo excessivo da agência, já que no momento há urgência para a aquisição de vacinas para que a imunização dos brasileiros seja feita de forma mais veloz.

"A gente tem necessidade, a gente tem urgência, a gente está no pior momento da pandemia, a gente tem aplicação da vacina em mais de 40 países, aparentemente sem reação negativa. Me parece que a gente está com zelo excessivo nesse ponto.", argumentou o secretário. "Mas a gente espera que quanto antes a Anvisa possa fazer a visita à Rússia, verificar as instalações da fabrica, para conceder essa autorização de uso." acrescentou.

Em março, o Conselho de Governadores do Nordeste assinou contrato para adquirir 37 milhões de doses do imunizante, que ainda não foi aprovado pela agência reguladora brasileira. Além de presidente do Conselho Nacional, Carlos Lula também é secretário de Saúde do estado do Maranhão.

De acordo com o presidente do Conselho, existe a possibilidade de o Ministério da Saúde "atravessar" a aquisição feita pelo grupo de governadores do Nordeste e fazer a redistribuição para todo o território nacional.

"É nossa contribuição para poder acelerar o processo de vacinação.", afirmou.

Vacinação é um sucesso

Carlos Lula falou também sobre a vacinação no país. Ao todo, 23,8 milhões de brasileiros já foram vacinados contra a covid-19. Para o secretário, os dados mostram que as vacinas são "um sucesso".

"Se a gente faz o cruzamento do banco de dados a gente vai ver que as vacinas são um sucesso. De fato, quem conseguiu se imunizar com duas doses e esperou 15 ou 20 dias, de fato a gente não tem nem pessoas internadas, mesmo aquelas acometidas da doença, a doença vem de forma bem leve.", disse Carlos Lula.

Ele afirmou ainda que a realidade da pandemia em 2021 aponta para um maior índice de internação de jovens, causado pelas novas e pela vacinação da população mais idosa.

"A UTI desse ano tem muita gente jovem, a gente passou a perder muitas pessoas sem nenhum tipo de comorbidade, atletas, com menos de 40 anos, muito possivelmente em razão dessas novas variantes. Elas aparentam ser muito mais letais do que as que circularam em 2021.", ele disse. "Isso também se da em razão que começamos a vacinar a população idosa. Isso quer dizer que as vacinas estão dando certo.", concluiu

Saúde