PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
3 meses

Covid-19: Porto Alegre suspende aplicação de 2ª dose da vacina

Falta de estoque de doses da CoronaVac interrompe aplicação da segunda dose em Porto Alegre - DEIVIDI CORREA/ESTADÃO CONTEÚDO
Falta de estoque de doses da CoronaVac interrompe aplicação da segunda dose em Porto Alegre Imagem: DEIVIDI CORREA/ESTADÃO CONTEÚDO

Colaboração para o UOL

28/04/2021 12h19Atualizada em 28/04/2021 15h22

Nesta quarta-feira (28) a Prefeitura de Porto Alegre informou que está suspensa a aplicação da segunda dose das vacinas CoronaVac contra a covid-19 na cidade por falta de doses, após a redução do número de imunizantes enviados pelo Ministério da Saúde. A vacinação prosseguirá na primeira dose com as doses da AstraZeneca/Oxford.

Ainda na terça-feira (27), de acordo com a gestão municipal, "a maior parte das 30 unidades de saúde referência esgotou seus estoques da segunda dose ainda no início da tarde", sem possibilidade de reposição da CoronaVac.

Segundo uma nota oficial divulgada pela Prefeitura de Porto Alegre, os três drive-thrus precisaram de um reforço de 2.710 doses que vieram dos hospitais, que disponibilizaram todo o seu estoque, e foram divididas entre os três pontos para manter as atividades". A imunização não foi completamente interrompida, mas seguirá apenas para somente a primeira dose na população acima dos 60 anos e no mês de maio "farmácias parceiras voltam a vacinar profissionais [de saúde] após a chegada de novas doses".

Apesar da escassez de vacinas, a prefeitura informa que não é necessário correr aos postos de atendimento, pois "o estoque de vacinas AstraZeneca para a primeira dose é suficiente para manter a vacinação dos idosos com 60 anos ou mais". Já avanço do plano de vacinação da capital gaúcha, que deveria seguir para as pessoas com comorbidades, é incerto e depende da chegada de uma nova remessa de doses do imunizante.

Vacinas atrasadas

O atraso da entrega de novas doses das vacinas, segundo a prefeitura, é causado pelo atraso da entrega do IFA, insumo necessário para que o Instituto Butantan fabrique as vacinas da CoronaVac em conjunto com a Sinovac. Com a produção de imunizantes suspensa há duas semanas, as remessas distribuídas aos municípios foram reduzidas.

Fernando Ritter, diretor da Vigilância em Saúde de Porto Alegre, afirma que o município deveria ter recebido "pelo menos 30 mil doses de CoronaVac para aplicação da segunda dose", mas na última sexta-feira (23), a remessa que chegou à cidade continha somente 7.730. As demais eram da AstraZeneca, 17.510 para primeira dose e 16.000 para segunda. A expectativa é que uma nova remessa chegue na próxima semana, uma vez que a previsão do Butantan é entregar um novo lote ao Ministério da Saúde na segunda-feira (3).

Após a entrega das doses ao ministério, as remessas terão que ser distribuídas aos estados, que organizam as entregas para seus municípios. No caso de Porto Alegre, os próximos imunizantes que chegarem serão destinados prioritariamente Às pessoas que já foram vacinadas e necessitam da segunda dose. "Precisamos completar o esquema vacinal para termos a garantia da plena imunização e eficácia de mais de 95% da forma grave do coronavirus, mas quero tranquilizar a população de que a imunização e segurança não será afetada se ela for aplicada após o prazo previsto no cartão de vacinação", completou Ritter.

Saúde