PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Estudo: Vacinas da AstraZeneca e Pfizer têm 87% de eficácia após 1º dose

A vacina da Pfizer foi 89,7% eficaz na prevenção da infecção pelo menos duas semanas após a administração da primeira dose - Reprodução/Twitter Paulo Câmara
A vacina da Pfizer foi 89,7% eficaz na prevenção da infecção pelo menos duas semanas após a administração da primeira dose Imagem: Reprodução/Twitter Paulo Câmara

Colaboração para o UOL*

05/05/2021 07h41

Dados da Agência Coreana de Controle e Prevenção de Doenças (KDCA) mostram que uma dose das vacinas da AstraZeneca e da Pfizer têm eficácia de 86,6% na prevenção de infecções entre pessoas de 60 anos ou mais.

A vacina da Pfizer/BioNTech foi 89,7% eficaz na prevenção da infecção pelo menos duas semanas após a administração da primeira dose, enquanto a vacina da AstraZeneca teve eficácia de 86%.

O estudo é baseado em mais de 3,5 milhões de pessoas na Coreia do Sul, com 60 anos ou mais, por dois meses, e incluiu 521.133 pessoas que receberam a primeira dose de Pfizer ou AstraZeneca. Houve 1.237 casos de covid nos dados e apenas 29 eram do grupo vacinado, disse a KDCA.

"Está demonstrado que ambas as vacinas fornecem uma alta proteção contra a doença após a primeira dose. (As pessoas) devem se vacinar de acordo com o cronograma recomendado, pois a taxa de proteção aumentará ainda mais após uma segunda dose", afirmou a agência.

As descobertas aparecem no momento em que a Coreia do Sul busca angariar participação em sua campanha de imunização, depois que relatórios sobre possíveis problemas de segurança desencorajaram algumas pessoas a serem vacinadas.

"Cerca de 95% das pessoas que morreram de coronavírus em nosso país eram idosos com 60 anos ou mais, e as vacinas reduzirão drasticamente os riscos para essas pessoas", disse Yoon Tae-ho, funcionário do ministério da saúde, em uma entrevista coletiva na quarta-feira. Yoon disse que a possibilidade de efeitos colaterais, incluindo a coagulação do sangue, é "extremamente baixa" e, em sua maioria, curáveis.

* Com informações da Reuters

Saúde