PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
4 meses

Com aumento de casos, Doria recua e adia flexibilização em SP em 14 dias

Lucas Borges Teixeira, Rafael Bragança e Henrique Sales Barros

Do UOL, em São Paulo

26/05/2021 04h00Atualizada em 26/05/2021 18h24

O governador João Doria (PSDB) decidiu hoje suspender a flexibilização maior das medidas restritivas em vigor no estado, que estava programada para ter início no mês de junho, a partir da próxima terça-feira (1º). O motivo foi o aumento de casos de covid-19 registrado nas últimas semanas.

O novo avanço da pandemia deixou em alerta o Centro de Contingência do Coronavírus, que aconselhou o governador a recuar do anúncio feito na semana passada. A informação foi antecipada pelo UOL e confirmada em entrevista coletiva do governo paulista sobre a pandemia.

Você pode assistir a toda a programação do Canal UOL aqui.

O governo do estado de SP prorroga a fase de transição até o dia 14 de junho, mantendo o funcionamento das atividades econômicas até as 21h. Exatamente nos moldes em que vem operando atualmente [...] Os indicadores da pandemia recomendam cautela nesse momento, e é cautela que estamos adotando."
João Doria, governador de SP

Agora, o estado permanecerá na fase de transição do Plano São Paulo por pelo menos mais 14 dias a partir de 1º de junho. Ou seja, uma nova flexibilização só deve ser considerada a partir do dia 15 do mês que vem.

Nós tivemos também uma avaliação essa semana de que não seria ainda o momento de avançar como havia pensado na semana anterior, e hoje nós temos aqui a extensão para continuarmos caminhando dessa forma. Houve um aumento na incidência de casos.
Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência

Casos, óbitos e mortes voltam a subir no estado de São Paulo - Reprodução/Governo do Estado de São Paulo - Reprodução/Governo do Estado de São Paulo
Casos, óbitos e mortes voltam a subir no estado de São Paulo
Imagem: Reprodução/Governo do Estado de São Paulo

"A fase de transição foi prorrogada por duas semanas, até o dia 14 de junho, quando começamos a próxima etapa, que é a da expansão do horário de ocupação [...] Lembrando que esse momento requer muita cautela, mas nós precisamos cumprir esses protocolos e respeitar o toque de recolher", reforçou a secretária de Desenvolvimento Econômico do estado, Patricia Ellen.

Entre junho e julho, o estado fará eventos-teste para avaliar a possibilidade de retomar mais atividades econômicas e de entretenimento em meio à pandemia de covid-19 no segundo semestre. Entre os eventos, estão três festas planejadas para acontecerem na capital e no interior já na segunda quinzena de junho.

De acordo com o último boletim de Secretaria Municipal da Saúde, divulgado ontem, a taxa de ocupação nos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) que atendem o SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade é de 80%. Se considerados apenas os leitos destinados a pacientes com covid-19, a taxa sobe para 85%.

Conforme levantamento do Instituto Infotracker, da Universidade de São Paulo, feito a pedido do UOL, a média de contaminações — calculada com base nos sete dias anteriores — que já era alta, tem subido progressivamente em maio. Isso, aliado à queda no ritmo de vacinas aplicadas no estado, voltou a colocar no horizonte um possível agravamento da pandemia.

Até o dia 8 de maio, o número vinha em queda. Desde então, vem aumentando progressivamente. Até a última segunda-feira (24), São Paulo registrou média de casos de 13.697.

Por outro lado, a vacinação contra a covid-19 tem desacelerado no país em meio ao atraso no envio de insumos da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan, e da Astrazeneca, produzida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Coronavírus