PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Queiroga revoga nomeação de médica negacionista para gerir hospital no RJ

A médica bolsonarista Mara Regina Cordeiro Pezzino teve a indicação revogada pelo Ministério da Saúde - Reprodução/Facebook
A médica bolsonarista Mara Regina Cordeiro Pezzino teve a indicação revogada pelo Ministério da Saúde Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

21/07/2021 09h29Atualizada em 21/07/2021 10h33

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, decidiu revogar a nomeação da médica bolsonarista Mara Regina Cordeiro Pezzino para o cargo de diretora do Hospital Federal de Ipanema, no Rio de Janeiro. A profissional da saúde é a favor de remédios sem eficácia científica comprovada contra a covid-19, questiona a eficácia das vacinas e o número de mortos pela doença — que hoje já ultrapassa 544.302 — no país. A revogação foi publicada hoje no DOU (Diário Oficial da União).

A nomeação de Pezzino havia sido publicada ontem também no DOU. No Facebook, a médica tem uma foto com a frase: "Eu apoio o tratamento precoce e preventivo. Está salvando vidas".

Já no Twitter, ela disse, em dezembro de 2020, que não iria se vacinar contra a covid-19 ao comentar uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que permitiu que estados e municípios distribuíssem vacinas mesmo se a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) não as autorizassem em 72 horas, desde que os imunizantes tenham sido aprovados por autoridades sanitárias estrangeiras.

A médica Mara Regina Cordeiro Pezzino escreveu no Twitter que não iria tomar a vacina contra a covid-19 - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
A médica Mara Regina Cordeiro Pezzino escreveu no Twitter que não iria tomar a vacina contra a covid-19
Imagem: Reprodução/Twitter

A profissional da saúde também assinou o "Manifesto em defesa da vida e do tratamento pré-hospitalar da covid-19", que defende o uso de medicamentos sem eficácia científica comprovada no combate à doença.

Pezzino chegou a criticar a OMS (Organização Mundial da Saúde) que já afirmou, por meio de um painel de especialistas, de que a hidroxicloroquina não tem efetividade contra o novo coronavírus.

A profissional da saúde criticou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nas suas redes sociais - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
A profissional da saúde criticou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nas suas redes sociais
Imagem: Reprodução/Twitter

De acordo com o cadastro de Pezzino junto ao CFM (Conselho Federal de Medicina), a médica atua na área de homeopatia e sua situação junto ao conselho está regularizada.

O Hospital Federal de Ipanema, onde Pezzino atuaria, é vinculado ao Ministério da Saúde e atende casos de média e alta complexidade. "[A unidade de saúde] é referência em diversas especialidades como cirurgia geral, urologia, ginecologia, oftalmologia, oncologia, neurocirurgia, plástica reparadora e ortopedia. Na área clínica, algumas referências são a pneumologia, a dermatologia e a infectologia", informa o site DGH (Departamento de Gestão Hospitalar da Saúde).

Ontem o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ) criticou a nomeação da médica para o cargo.

Nas redes sociais, a médica também publica diversas postagens elogiando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e critica a CPI da Covid, que investiga as ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Além de também apoiar o voto impresso, uma das bandeiras do atual mandatário.

O UOL tenta contato com a médica e com o Ministério da Saúde. Em caso de resposta, a matéria será atualizada com os posicionamentos.

Saúde