PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Gonzalo Vecina: 'Não usaria a CoronaVac como dose de reforço'

Do UOL, em São Paulo

06/09/2021 11h58

A opção do governo do estado de São Paulo por manter a CoronaVac como opção para a dose de reforço que começa a ser aplicada hoje em idosos foi criticada pelo médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa Gonzalo Vecina Neto.

Em entrevista ao UOL News, Vecina afirmou que a CoronaVac é um bom imunizante, mas que não conseguiu provar sua eficácia para pessoas acima de 60 anos.

"Não usaria CoronaVac como dose de reforço. Ela é uma vacina boa, eficaz, que protege, mas não provou essa eficácia acima de 60 anos. Os pacientes inscritos em estudos da fase 3 eram, em sua maioria, pessoas abaixo dessa idade. Acho muito ruim o que a Secretaria de Saúde de São Paulo está fazendo", disse o ex-presidente da Anvisa.

Para Vecina, o ideal seria que a dose de reforço fosse aplicada com uma vacina diferente daquela aplicada inicialmente:

"Existem poucos dados sobre a dose extra. Mas há experimentos na Inglaterra, Espanha e Israel com doses alternadas e todos foram muito positivos".

Na capital paulista, a Secretaria municipal de Saúde afirmou que, assim que chegarem doses da Pfizer do Ministério da Saúde, o que está previsto para o dia 15 de setembro, deve priorizar esta vacina como dose de reforço.

Saúde