PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Secretário do Rio: pessoas poderão escolher vacina na repescagem de amanhã

Do UOL. em São Paulo

24/09/2021 12h48Atualizada em 24/09/2021 17h41

O secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, disse hoje que aqueles que ainda não tomaram a primeira dose da vacina contra a covid-19 poderão escolher, excepcionalmente amanhã, qual imunizante tomar nos locais de vacinação.

Na divulgação do 38° boletim epidemiológico, Soranz disse que a medida será possível porque o Rio tem estoque das três principais vacinas usadas no país — CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer.

"Esse é o primeiro sábado que a gente tem todas as três principais vacinas — a gente só não tem a Janssen — disponíveis para aplicação como D1 [primeira dose]. A gente tem AstraZeneca, Pfizer e CoronaVac disponível como D1. Então, esse sábado, excepcionalmente, o usuário pode escolher qualquer uma das vacinas", disse o secretário.

A estratégia da prefeitura do Rio busca atingir também os chamados "sommeliers de vacina", ou seja, as pessoas que escolhem qual imunizante tomar. Esse público recebeu críticas durante toda a campanha de vacinação contra a covid pelo país, principalmente no início. Até grupos em redes sociais foram criados em busca de uma vacina específica.

A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou ontem uma "mega vacinação" contra covid-19 para pessoas acima de 12 anos a partir de hoje. Hoje, o foco será para a imunização de adolescentes de 12 e 13 anos. Já amanhã, todos acima de 12 anos poderão receber a primeira dose do imunizante na capital fluminense.

O Rio de Janeiro tem antecipado os planos de vacinação. A meta de imunizar com a primeira dose 90% da população adulta foi alcançada no dia 18 de agosto, quando a previsão era 2 de setembro. A dose de reforço para os idosos passou de outubro para 1º de setembro, e a vacinação dos adolescentes de 12 anos tinha previsão para ser concluída em 30 de setembro, mas foi antecipada para amanhã.

Soranz destacou, ainda, que a população só pode considerar que está com a imunização completa após receber a segunda dose ou, para os idosos, a terceira.

A secretaria de Saúde avalia a possibilidade de antecipar, na próxima semana, a segunda dose para as pessoas com mais de 40 anos que receberam o imunizante da Pfizer.

Risco moderado de transmissão da covid

A situação epidemiológica da covid-19 no Rio de Janeiro vem melhorando nas últimas semanas e a cidade teve a avaliação em todas as 33 regiões classificada como de risco moderado para a transmissão da doença, com o mapa na cor amarela. Na semana passada, apenas três regiões estavam em laranja, de risco alto: Copacabana, Centro e Tijuca.

Os dados foram apresentados hoje pela SMS (Secretaria Municipal de Saúde). Os gráficos indicam que as internações por casos graves de covid-19 tiveram uma redução de 42% da semana 33 (15 a 21 de agosto) para a 37 (12 a 18 de setembro), considerado o último pico da doença. Hoje, 492 pacientes se encontram internados com covid-19, o menor número desde abril de 2020, e a fila de espera por leitos está zerada.

Os casos confirmados também apresentam queda desde a semana epidemiológica 33, chegando aos patamares de outubro do ano passado, quando a primeira onda da doença estava arrefecendo. Os óbitos apresentam queda desde a semana 35 (28 de agosto a 4 de setembro).

Soranz, lembrou que, apesar dos números animadores, a pandemia não acabou e ainda é preciso tomar todos os cuidados contra o novo coronavírus.

"É muito importante que as pessoas saibam que ainda tem transmissão de covid-19 na cidade, ainda é necessário utilizar máscara, é necessário, sem dúvida, se proteger, evitar ao máximo exposições desnecessárias. Mas a gente tem um outro panorama epidemiológico, com redução de casos e com um número de pessoas se vacinando cada vez mais aumentando", explicou.

* Com informações da Agência Brasil

Saúde