PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Conass pede que uso de máscara siga obrigatório: 'Momento exige cautela'

Brasil já vê cidades debaterem o fim da obrigatoriedade do uso de máscara em ambientes abertos - iStock
Brasil já vê cidades debaterem o fim da obrigatoriedade do uso de máscara em ambientes abertos Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

08/10/2021 08h40

O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) divulgou uma nota pedindo para que os gestores mantenham o uso de máscara obrigatório para combater a covid-19. O comunicado assinado por Carlos Lula, presidente do conselho, diz que o momento ainda exige cautela e prudência.

A nota do Conass foi divulgada após notícias sobre iniciativas que pretendem relativizar o uso obrigatório de máscaras. A Prefeitura de Duque de Caxias (RJ) publicou um decreto na terça-feira (5) desobrigando o uso de máscaras no município.

A projeção da Prefeitura do Rio de desobrigar o uso de máscaras em ambientes abertos a partir de 15 de outubro foi criticada por especialistas da área da saúde ouvidos pelo UOL.

Na cidade de São Paulo, a prefeitura estuda uma data para adotar a mesma medida, mas não crava uma data, embora indique que a partir de novembro a cidade já deva ter toda sua população adulta com esquema vacinal completo (duas doses ou dose única).

A vacinação da população, a testagem e o consequente monitoramento dos casos detectados e de seus contatos, somam-se ao uso de máscaras, à lavagem frequente das mãos e a utilização de álcool em gel como medidas indispensáveis para a superação da pandemia Trecho de nota do Conass

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) recomenda manter as medidas contra covid-19 até que 80% da população esteja vacinada. Segundo dados divulgados ontem pelo consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte, no total, 97.212.008 habitantes receberam a segunda dose ou a dose única de imunizante contra a doença, o que representa 45,57% da população do país.

Segundo o Conass, é preciso estar atento às experiências de alguns países que suspenderam a obrigatoriedade do uso de máscara, afrouxaram as medidas de prevenção e tiveram recrudescimento do número de casos e óbitos, o que os obrigou a retroceder.

Em níveis diferentes, Estados Unidos, Israel, Itália, Grécia, Nova Zelândia e Reino Unido, por exemplo, registraram alta no número de casos semanas após a desobrigação do uso do item de proteção.

"O momento ainda exige cautela e prudência. Outros interesses que não os da proteção da população não podem se sobrepor à salvaguarda de nosso mais importante patrimônio: a vida e a saúde de todos os brasileiros", acrescentou o Conass.

Ao UOL, a OMS (Organização Mundial da Saúde) reforçou a importância de se manter a utilização das máscaras. "As vacinas salvam vidas, mas, por si só, não são suficientes. Precisamos continuar a 'fazer tudo', especialmente quando a maioria das pessoas na sociedade não está vacinada e a covid-19 está disseminada."

Os imunizantes disponíveis atualmente atuam principalmente para diminuir as chances de óbito e casos graves da doença, mas não impedem por completo a transmissão caso a pessoa contraia o vírus. Além disso, as variantes têm se mostrando mais velozes na proliferação do vírus.

* Com reportagem de Nathan Lopes, do UOL, em São Paulo

Saúde