PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
5 meses

Deputado bolsonarista quer saber como São Paulo vacinou 101% da população

Mônica Calazans recebe a segunda dose de vacina contra a covid-19 - ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Mônica Calazans recebe a segunda dose de vacina contra a covid-19
Imagem: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

06/01/2022 17h26

O deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL), anunciou hoje que pretende apresentar requerimento solicitando a convocação do secretário de Saúde de São Paulo, Jeancarlo Gorinchteyn, para explicar como o estado conseguiu vacinar 101,96% de sua população contra a covid-19.

"Esses tarados mentem tanto que tem hora que perdem qualquer vergonha e começam a mentir descaradamente!", acusa o parlamentar, sem apresentar provas nem argumentos, por meio das redes sociais.

A proporção acima dos 100% ocorre por causa de pessoas que não moram no estado de São Paulo, mas foram imunizadas por aqui. Por isso mesmo, também não é possível afirmar que todos os adultos residentes no estado estão completamente imunizados contra a covid-19.

Outra questão é a defasagem dos dados, já que o último Censo Demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) foi realizado em 2010.

Em levantamento de junho, a Fiocruz apontou que 15% dos vacinados haviam sido imunizados fora de seus municípios de origem. Os motivos vão desde a dificuldade em conseguir vacina na cidade onde se mora, por causa da falta de padronização dos calendários, até casos em que pessoas residem em determinado local, mas viajam a trabalho ou para visitar parentes.

Com campanha de vacinação contra a covid-19 bem-sucedida, São Paulo imunizou, até agora, 101,96% de sua população adulta (ou seja, com mais de 18 anos) com pelo menos uma dose. 96,18% da população paulista têm esquema vacinal completo e 85,38% tomaram pelo menos uma dose. Foram 85,9 milhões de doses aplicadas até aqui, segundo dados disponibilizados pelo governo de João Doria (PSDB).

Saúde