PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
4 meses

Casos de síndromes gripais crescem 135% e atingem 25 Estados, diz Fiocruz

Ocorrências passaram de 5,6 mil para 13 mil nas últimas três semanas, segundo dados do InfoGripe da Fiocruz divulgados hoje - iStock
Ocorrências passaram de 5,6 mil para 13 mil nas últimas três semanas, segundo dados do InfoGripe da Fiocruz divulgados hoje Imagem: iStock

Colaboração para o UOL, em Brasília

15/01/2022 12h11

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave cresceram 135% no Brasil na comparação das últimas três semanas de novembro com as últimas três semanas deste ano, de acordo com o boletim InfoGripe da Fiocruz divulgado hoje. Com o novo dado, o país já contabiliza 13.000 ocorrências da doença.

Segundo a instituição de pesquisa, 25 Estados brasileiros tem surto de influenza atualmente. "Praticamente todos os Estados apresentaram sinal de crescimento, deixando claro que tal contexto é anterior às celebrações de fim de ano, reforçando a importância dos alertas quanto aos cuidados necessários à época", ressalta Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Os dados foram divulgados mais de um mês depois do "apagão" que inviabilizou o acesso aos dados sobre a pandemia no Brasil. "Tais dados também deixam claro a importância do cancelamento de grandes eventos de Réveillon por parte das autoridades de diversas localidades, ainda que os dados de notificação estivessem apresentando problemas na sua divulgação".

De acordo com o boletim, 24 das 27 capitais mostram sinal de crescimento de casos a longo prazo, exceto Boa Vista, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Em Aracaju, Belém, Brasília, Belo Horizonte, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Macapá, Maceió, Manaus, Natal, Palmas, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Salvador, São Luís, São Paulo e Vitória, a tendência é maior que 95%.

Faixa etária

O boletim mostra crescimento em todas as faixas etárias a partir de 10 anos, desde o fim de novembro e início de dezembro até o momento. Em relação às crianças de 0 a 9 anos, os resultados laboratoriais apontam predomínio do VSR (vírus sincicial respiratório), com aumento de casos de influenza A de novembro e dezembro.

Na população infantil, também verificou-se tendência de aumento nos casos positivos para covid-19. "Esse fato torna fundamental a retomada de ações de conscientização da população e minimização de risco para mitigar o impacto ao longo do início de 2022", destacou Gomes.

Vacinação infantil anticovid

Estados e o Distrito Federal começam a se organizar para aplicar doses da vacina da Pfizer contra a covid-19 para crianças de 5 a 11 anos. O primeiro lote chegou na última semana ao país.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a aplicação do imunizante em 16 de dezembro. A vacinação do público infantil foi incorporada ao Plano Nacional de Operacionalização em 5 de janeiro.

Somente a vacina da Pfizer está liberada para ser aplicada em crianças. O pedido do Instituto Butantan para a liberação da vacina Coronavac no público de 3 a 17 anos está em análise na Anvisa.

Neste sábado, ao menos nove capitais começaram a vacinar crianças de cinco a 11 anos contra a covid-19 com o imunizante pediátrico da Pfizer. A primeira criança foi imunizada ontem em São Paulo, em um ato simbólico, mas, na capital paulista, ela irá começar apenas na segunda-feira (17). Hoje, já começou a vacinação em:

  • Fortaleza (CE),
  • São Luís (MA),
  • Salvador (BA),
  • Recife (PE),
  • Aracaju (SE),
  • Campo Grande (MS),
  • Belo Horizonte (MG),
  • Vitória (ES),
  • e Florianópolis (SC).

Saúde