Escassez de combustível ameaça a França

Paris, 24 Mai 2016 (AFP) - Diante de um mal-estar social cada vez maior, o governo francês tentava nesta terça-feira conter o risco de uma escassez de combustível que ameaça paralisar o país a menos de três semanas para o início da Eurocopa.

As forças de segurança desbloquearam ao amanhecer uma refinaria e um depósito de combustível no sudeste do país, cujo acesso havia sido fechado e ocupado desde o dia anterior por membros do sindicato CGT que se opõem a uma reforma das leis trabalhistas, considerada muito liberal.

Dois meses e meio após a imposição pelo governo desta reforma, a tensão tem aumentado nos últimos dias, com o bloqueio de depósitos de combustíveis e refinarias orquestrado pelo CGT.

O conflito ganha ares de uma disputa de queda de braço entre o governo socialista e o sindicato, historicamente próximo do Partido Comunista e que continua a ser o maior da França.

O presidente François Hollande denunciou nesta terça-feira o "bloqueio" dos locais petrolíferos como "uma estratégia apoiada por uma minoria".

"Não há dúvida de que os franceses se encontram numa situação de escassez, de bloqueio, que a nossa economia está bloqueada", ressaltou por sua vez o primeiro-ministro Manuel Valls, em Israel.

Para o chefe de Governo, o sindicato "CGT está em um impasse", "faz o país refém", mas "vai encontrar uma resposta extremamente firme".

Para o secretário-geral do CGT, Philippe Martinez, no entanto, é o primeiro-ministro que "joga um jogo perigoso", tentando "colocar os cidadãos contra o CGT".

"A opinião pública" continua favorável à "contestação" do projeto de reforma trabalhista, declarou, pedindo para que a greve se generalize.

Mas "o CGT pode paralisar o país?", questionou nesta terça o jornal de esquerda Libération, observando que o sindicato, que acaba de sair de um difícil crise de sucessão, "não tem necessariamente os meios de suas ambições". De qualquer forma, "não cabe a uma central sindical fazer a lei", criticou o chefe do Partido Socialista, Jean-Christophe Cambadélis.

Economia 'feita refém'Seis refinarias, de um total de oito na França, foram afetadas desde segunda-feira à noite contra quatro na véspera. Estes bloqueios têm provocado há vários dias grandes filas nos postos de abastecimento.

De acordo com o Secretário de Estado para os Transportes, Alain Vidal, "cerca de 20% dos postos de combustível estão fechados ou passando por grandes dificuldades" de um total de 12.000 estabelecimentos no país.

As autoridades pediram para que os motoristas não "façam estoques" de combustível, dizendo que "nada justifica" essa ação.

A companhia petrolífera Total, que opera cinco refinarias bloqueadas, vai rever os seus investimentos no setor na França, alertou.

O desenrolar do conflito também depende em grande medida da resposta do governo, apontaram nesta terça-feira vários jornais franceses.

Porque a "convergência das lutas", desejada por muitos opositores radicais da reforma trabalhista, parece ter diminuído: a mobilização nas universidades está "perdendo força" e o movimento cidadão Nuit Debout, reunido na emblemática Place de la République em Paris, "parece, por agora, estar se apagando tranquilamente", segundo Libération.

O movimento dos rodoviários, iniciado há uma semana, também parece perder força, depois das garantias dadas pelo governo sobre o pagamento de horas extras. Quanto aos ferroviários, a greve na segunda-feira não foi aderida por uma maioria em Paris e seus subúrbios.

Mas outros setores poderiam se agitar nas próximas horas. O CGT apelou os condutores do metrô a uma greve por tempo indeterminado a partir de 02 de junho.

A central sindical também pediu aos ferroviários uma greve renovável às quartas-feiras e quintas-feiras. Um cenário de pesadelo para o governo, que espera cerca de 7 milhões de visitantes na França a partir de 10 de junho para a Eurocopa 2016.

A ministra do Trabalho, Myriam El-Khomri, alertou que "não há dúvida" de que a economia "foi feita refém" a três semanas da importante competição.

bur-cr/hba/gl/mr

ESSO SOCIETE ANONYME FRANCAISE

TOTAL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos