Líder do Ciudadanos apoia referendo revogatório contra Maduro

Caracas, 24 Mai 2016 (AFP) - O líder do partido liberal espanhol Ciudadanos, Albert Rivera, apoiou nesta terça-feira a realização de um referendo revogatório contra o presidente venezuelano Nicolás Maduro, durante discurso no Parlamento de Caracas.

"É um direito. Eu apoio que vocês possam defender a sua Constituição e celebrar este referendo revogatório como via de escape, como saída", afirmou Rivera, que chegou nesta terça-feira à capital venezuelana, apesar das advertências de porta-vozes da situação sobre uma possível proibição de entrada no país.

Em seu discurso, durante uma sessão especial da comissão de Política Externa, o deputado e presidente do partido Ciudadanos - quarta força política na Espanha - também considerou necessário abrir o diálogo entre o chavismo e a oposição.

"Sim ao diálogo, mas um diálogo com condições, efetivo", expressou Rivera, que pediu a liberação de opositores presos, entre eles os dirigentes Leopoldo López e Antonio Ledezma, este último em prisão domiciliar.

O político também falou sobre outra denúncia da oposição venezuelana a respeito da existência de uma crise humanitária, diante da aguda escassez de alimentos e remédios.

"Tem que haver comida e alimentos, remédios. Não vamos solucionar a crise política e institucional sem solucionar a crise humanitária", disse.

O número dois do chavismo, o deputado Diosdado Cabello, apresentou na última quarta-feira (18) a possibilidade de que as autoridades migratórias impediriam a entrada de Rivera, assinalando que seu objetivo era "conspirar" contra o governo socialista.

Mas o presidente do Parlamento venezuelano, Henry Ramos Allup, defendeu nesta terça-feira a visita, afirmando que "a ajuda não é se intrometer".

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) promove que ocorra um referendo revogatório contra Maduro, eleito até 2019. Porém, a situação acredita ser "impossível" realizá-lo este ano, pois o tempo não será suficiente para cumprir com os requisitos exigidos pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

Se a consulta ocorrer depois de 10 de janeiro de 2017, quando forem cumpridos os quatros anos de mandato presidencial, e Maduro perder, o período será concluído por quem ocupar a vice-presidência.

Nesse momento, o CNE está revisando as 200.000 assinaturas exigidas para ativar o referendo revogatório.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos