Chefe da Polícia de Dallas defende uso de robô para matar franco-atirador

Chicago, 11 Jul 2016 (AFP) - O chefe da Polícia de Dallas, David Brown, defendeu na segunda-feira o uso de um robô com explosivos para matar o franco-atirador entrincheirado que assassinou cinco agentes na quinta-feira.

"Não foi um dilema ético para mim. Faria de novo" se a situação voltasse a ocorrer, disse Brown em uma coletiva de imprensa.

Brown também atualizou o balanço de feridos no ataque, de sete para nove pessoas. Dois civis também ficaram feridos.

O assassino, Micah Johnson, um negro de 25 anos sem antecedentes criminais, era reservista do Exército e atuou no Afeganistão entre novembro de 2013 e julho de 2014.

Durante a negociação com os agentes que o cercavam, Johnson disse que queria vingar a morte, naquela semana, de dois homens negros, um em Luisiana e outro em Minnesota, matando policiais brancos.

"Eu teria utilizado todos os meios necessários para salvar a vida de nossos policiais. Não tenho vergonha de dizer isso", afirmou Brown. O robô, que custou 150.000 dólares, ficou danificado, mas ainda funciona, acrescentou.

Os investigadores ainda vão analisar centenas de horas de imagens registradas pelas câmeras dos policiais, dos veículos e do comércio para tentar reconstruir os acontecimentos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos