Coreia do Norte faz novo teste com míssil balístico no mar do Japão, diz Seul

Em Seul (Coreia do Sul)

  • KCNA/ Reuters

    Coreia do Norte divulga imagem sem data de um teste de lançamento de um míssil balístico terra-terra de longo alcance

    Coreia do Norte divulga imagem sem data de um teste de lançamento de um míssil balístico terra-terra de longo alcance

A Coreia do Norte realizou nesta quarta-feira (3) um tiro de teste de míssil balístico sobre o Mar do Japão, informou o ministério sul-coreano da Defesa.

O míssil foi lançado das imediações da cidade de Unyul (oeste) às 07h50 local (19h50 Brasília de terça-feira).

O projétil, que percorreu cerca de mil quilômetros, foi identificado como um míssil Rodong, de médio alcance.

Os Estados Unidos reagiram afirmando que estão prontos para "se defender e proteger seus aliados" da ameaça da RPDN (República Popular Democrática da Coreia do Norte), e condenaram mais um teste proibido.

"Estamos preparados para trabalhar com nossos aliados e sócios no mundo para responder às provocações da RPDC, assim como para nos defender e a nossos aliados de qualquer ataque ou provocação", declarou a porta-voz do departamento de Estado Anna Richey-Allen.

Segundo o porta-voz, os Estados Unidos têm a "intenção de levar suas preocupações à ONU" para que a comunidade internacional "responsabilize a RPDC por estas ações provocadoras".

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, condenou o teste de míssil sobre o Mar do Japão e considerou que representa "uma ameaça séria para a segurança do país".

"É um ato escandaloso que não se pode tolerar", declarou Abe à imprensa.

O ministro japonês da Defesa, Gen Nakatani, informou que o míssil caiu no Mar do Japão, na zona econômica exclusiva (ZEE) do arquipélago, algo que não ocorria desde 1998.

"Não se produziram avisos. Foi um gesto extremamente problemático e perigoso do ponto de vista da segurança de aviões e navios", declarou o porta-voz do governo Yoshihide Suga. "Protestamos imediatamente com a Coreia do Norte".

O teste acontece duas semanas após o lançamento de três mísseis balísticos que, segundo Pyongyang, simulavam ataques nucleares preventivos contra portos e aeroportos sul-coreanos onde há material militar americano.

O tiro também ocorre semanas antes do início de manobras militares conjuntas entre Estados Unidos e Coreia do Sul.

Estas manobras, que em 2015 envolveram 30 mil militares americanos e 50 mil sul-coreanos, são anualmente causa de tensão diplomática na península coreana.

Tensão crescente

Depois do quarto teste nuclear norte-coreano, em 6 de janeiro, seguido em 7 de fevereiro pelo lançamento de um foguete considerado como um teste disfarçado de míssil balístico, a tensão é crescente na península coreana.

Apesar das resoluções da ONU proibindo qualquer programa nuclear ou balístico na Coreia do Norte, o país prossegue com seus esforços para desenvolver um míssil intercontinental (ICBM) capaz de levar uma ogiva nuclear ao continente americano.

Pyongyang ameaçou em julho passado realizar uma "ação física" contra o escudo antimísseis THAAD (Terminal High Altitude Area Defence) que os EUA planejam instalar na Coreia do Sul e que Seul considera vital para sua segurança nacional.

Washington e Seul já anunciaram que pretendem instalar o THAAD até o final do ano, diante da multiplicação das ameaças procedentes da Coreia do Norte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos