Turquia desmente cessar-fogo com curdos no norte da Síria

Istambul, 31 Ago 2016 (AFP) - A Turquia desmentiu nesta quarta-feira ter aceitado um cessar-fogo com as milícias curdas na Síria, como anunciado pelos Estados Unidos, e negou qualquer compromisso com os "terroristas", como são chamados por Ancara, a quem combate em sua inédita ofensiva no norte do país.

"Não aceitamos sob nenhuma circunstância (diferentemente do que) alguns porta-vozes de países estrangeiros dizem, um compromisso ou cessar-fogo entre a Turquia e elementos curdos", declarou o ministro turco de Assuntos Europeus, Ömer Çelik, sobre o anúncio feito na terça-feira por Washington.

"A república turca é um Estado soberano e legítimo que não pode ser colocado no mesmo nível que uma organização terrorista", disse, referindo-se ao PYD, o Partido de União Democrática dos curdos da Síria e seu braço armado YPG (Unidades de Proteção do Povo Curdo).

Uma trégua "está totalmente descartada", reafirmou o porta-voz presidencial, Ibrahim Kalin, em declarações televisivas.

Ancara considera estes grupos curdos sírios como uma segregação do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), ilegal na Turquia, que desde 1984 realiza uma sangrenta rebelião contra o Estado turco.

A Turquia havia anunciado no domingo ter matado "25 terroristas" das YPG, mas desde segunda-feira ao meio-dia não foi registrado nenhum bombardeio turco contra milícias curdas. O acordo provisório ao qual Washington se referia previa uma trégua a partir das 21h00 GMT (18h00 de Brasília) de segunda-feira, segundo rebeldes sírios.

Entretanto, as forças turcas continuaram com sua ofensiva contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) no norte da Síria.

Ahmed Othman, comandante do grupo rebelde pró-turco "Sultão Murad", confirmou à AFP que a situação estava "tranquila desde ontem (terça-feira) na frente sul de Jarablos contra as Forças Democráticas Sírias (pró-curdas)", mas que "o combate continua na frente oeste contra o EI".

A Turquia lançou há uma semana uma ofensiva, sem precedentes desde o início da guerra na Síria em 2011, no norte deste país para fazer os combatentes do grupo Estado Islâmico (EI), mas também as milícias curdas, retrocederem, porque teme que elas formem um corredor ao longo da fronteira turco-síria.

"Concentrar-se no EI"A trégua que Ancara desmente foi anunciada na terça-feira por um funcionário da defesa americano e pelas milícias curdas no norte da Síria.

"Nas últimas horas nos garantiram que todas as partes envolvidas deterão os disparos e se concentrarão na ameaça do grupo Estado Islâmico", afirmou o coronel John Thomas, porta-voz do Comando Central.

Este anúncio não foi em nenhum momento confirmado pelo governo turco.

Uma semana depois do início da ofensiva turca, e após os confrontos do exército com os combatentes das YPG, os Estados Unidos expressaram sua preocupação e convocaram ambas as partes a deter os combates.

Washington considera os curdos como os combatentes mais eficazes contra o EI, o grande inimigo das potências ocidentais. Mas ao mesmo tempo a Turquia é uma aliada chave na Otan dos Estados Unidos.

Por isso, a situação é triste para o Pentágono, que baseou sua estratégia para derrotar o EI na Síria através das Forças Democratas Sírias (SDF) lideradas pelos curdos e que investiu grandes somas para treinar e formar este grupo.

Por sua vez, a Turquia também desmentiu nesta quarta-feira ter convocado o embaixador dos Estados Unidos para protestar contra as críticas americanas a sua intervenção na Síria.

Intervenção do IrãO Irã, aliado do regime de Damasco, pediu nesta quarta-feira à Turquia que coloque fim rapidamente as suas operações militares para evitar complicar ainda mais a situação na região, segundo meios de comunicação iranianos.

Contudo, o EI parece enfraquecido após a morte de um de seus estrategistas, Abou Mohammed al-Adnani, abatido, segundo Washington, por um drone (veículo aéreo não-tripulado) americano no norte da Síria. Essa morte também foi reivindicada por Moscou, o que um responsável de Defesa americano chamou de "piada", nesta quarta-feira.

Em Diyarbakir (sudeste da Turquia), partidos políticos pró-curdos anunciaram que um grupo de 50 voluntários, incluindo deputados, começariam, na segunda-feira, uma greve de fome para obter notícias do líder preso, Abdullah Öcalan, que não é permitido receber visitas, informou um correspondente da AFP.

fo/cb/ser/jz-jvb/eg/c/cb

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos