Chile recorda nas ruas os 43 anos do golpe que instaurou a ditadura Pinochet

De Santiago

  • Martin Berdetti/AFP

    Manifestantes marcham em memória aos 43 anos do golpe militar no Chile, em Santiago

    Manifestantes marcham em memória aos 43 anos do golpe militar no Chile, em Santiago

Com manifestações, homenagens ao falecido ex-presidente Salvador Allende e aos milhares de assassinados e torturados, o Chile iniciou neste domingo a recordação dos 43 anos de golpe de Estado que instaurou a ditadura de Augusto Pinochet.

O palácio La Moneda, sede do governo que suportou os bombardeios de 11 de setembro de 1973, foi o centro do primeiro ato oficial do dia com uma homenagem a Allende - liderado pela presidente socialista, Michelle Bachelet.

Na sede do governo ainda ressoam "os ecos do mais doloroso marco de nossa história recente", que culminou com o retorno à democracia em 1990, assinalou Bachelet em um breve e emocionado discurso.

"Hoje o Chile recorda o que ocorreu há 43 anos, aquilo que nunca mais voltará a acontecer, porque temos uma certeza irrenunciável (de que) enquanto a luz da memória seguir viva, ninguém estará vencido e ninguém estará esquecido", afirmou a presidente.

Martin Bernetti/AFP
Polícia de choque reage a manifestantes durante marcha em Santiago

Christian Miranda/AFP
Manifestantes entram em confronto com a polícia durante marcha em Santiago


Ruas do centro de Santiago amanheceram cercadas e com uma maior quantidade de policiais do que o habitual para assegurar a ordem durante a manifestação que percorrerá vários quilômetros de Santiago.

O som dos tambores em frente a La Moneda deu início à marcha, às 10h40 locais, que seguirá até o Cemitério Central de Santiago, onde os familiares das vítimas da ditadura, que ainda clamam por justiça, homenagearão os mais de 3.200 mortos e desaparecidos deixados pelo regime.

Como é habitual nesta data, em Santiago e em outras regiões, é possível ver barricadas e confusões menores à meia-noite e nas primeiras horas do dia, informou a polícia.

Bachelet destacou os avanços em políticas de direitos humanos e assegurou que serão ampliados os espaços destinados a manter a memória do que houve no regime. As organizações de direitos humanos manifestam que ainda há medidas pendentes, como fechar uma prisão feita para deter os militares condenados por crimes cometidos durante a ditadura.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos