ONU: coalizão árabe violou leis ao atacar funeral no Iêmen

Nações Unidas, Estados Unidos, 21 Out 2016 (AFP) - O ataque aéreo da coalizão liderada pela Arábia Saudita que matou 140 pessoas durante um funeral no Iêmen violou o direito internacional humanitário, concluiu um painel de especialistas da ONU nesta quinta-feira.

O ataque, ocorrido no dia 8 de outubro, deixou 140 mortos e 525 feridos, em meio a uma multidão que assistia ao funeral do pai de um alto funcionário em Sanaa.

Os especialistas indicaram ao Conselho de Segurança da ONU que "não observaram qualquer indício de que a coalizão liderada pela Arábia Saudita adotou as medidas de precaução adequadas e efetivas para minimizar a morte de civis nos dois ataques aéreos confirmados até o momento".

"Ao contrário, há provas que sugerem que a coalizão (...) violou sua obrigação de proteger os feridos e as pessoas fora de combate em seu segundo ataque aéreo".

O direito internacional humanitário proíbe ataques contra feridos, pessoal médico e não combatentes.

Os especialistas consideram que o intervalo entre os dois bombardeios aéreos revela o "uso deliberado" da técnica de ataque em duas fases, "no qual os indivíduos que reagem à primeira explosão são alcançados pela segunda".

O painel destaca que "um número desproporcionalmente mais alto de civis morreram em relação às vítimas militares".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos