Vídeo de torturas é mostrado em julgamento de banqueiro britânico em Hong Kong

Hong Kong, 25 Out 2016 (AFP) - O júri do julgamento de Rurik Jutting, banqueiro britânico processado pelo assassinato de duas jovens indonésias em Hong Kong, viu nesta terça-feira filmagens das torturas infligidas a uma das vítimas, cujo corpo em decomposição foi encontrado em uma mala na casa do acusado.

O ex-trader, de 31 anos, que trabalhava para o Bank of America Merrill Lynch, é julgado por assassinatos pela Alta Corte da antiga colônia britânica.

Ele se declarou inocente destas acusações, e reconheceu apenas dois homicídios culposos cometidos em estado de responsabilidade diminuída.

Sumarti Ningsih, de 23 anos, e Seneng Mujiasih, de 26, foram encontradas mortas no dia 1 de novembro de 2014 no apartamento de luxo do acusado, em um imóvel residencial de Wanchai.

Este bairro de escritórios e restaurantes também é conhecido como um local de prostituição frequentado por estrangeiros.

Segundo a acusação, Sumarti Ningsih, a quem o banqueiro propôs relações sexuais em troca de dinheiro, foi torturada durante três dias a partir de 25 de outubro de 2014, antes de ser assassinada no chuveiro.

O acusado colocou posteriormente seu corpo em uma mala e a deixou na varanda de sua casa, antes de ir buscar sua segunda vítima, explicou na segunda-feira o procurador-geral John Reading, no primeiro dia do processo.

O acusado filmou as cenas de tortura com seu iPhone. Cerca de 20 minutos do vídeo foram apresentados aos membros do júri em telas individuais.

No dia 31 de outubro, o trader propôs a outra vítima, Seneng Mujiasih, relações sexuais em troca de dinheiro em sua casa. Pouco depois a degolou.

Ao chegar ao local, a polícia a encontrou jazendo nua, em uma poça de sangue, com cortes no pescoço e nas nádegas. O corpo da primeira vítima, dentro da mala, foi encontrado várias horas depois.

O acusado manteve os olhos fechados durante a apresentação dos vídeos, nos quais se refere a suas "fantasias negras": "Quando estou 'alto' devido à cocaína, tenho a tendência de causar danos", afirma na gravação, dirigindo-se à câmera, com o peito nu.

Organizações de apoio a migrantes pediram justiça para as duas mulheres e indenizações as suas famílias. Mujiasih chegou a hong Kong com um visto de empregada doméstica e Ningsih com um de turista.

at-lm/ev/pt/me/mb/ma

BANK OF AMERICA

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos